Pular para o conteúdo principal

A Realidade do Campo

O Haiti está em reconstrução!
Cinco anos após a maior catástrofe natural da história recente do país, é visual o processo de reconstrução iniciado de maneira mais intensa e contínua a partir de julho 2013. A pavimentação de ruas, avenidas e rodovias, o choque de ordem para o reordenamento urbanístico, melhoria das estruturas físicas e administrativas dos órgãos estatais, do porto, dos aeroportos, novas escolas e aumento da oferta de vagas públicas, realocação das famílias vítimas do terremoto de 2010, e ainda, maior presença efetiva da Polícia Nacional (PNH) nas ruas, tudo isso são exemplos deste novo tempo em nosso Campo.
A ONU mantém sua Missão de Paz no território haitiano, cujo comando e maioria militar permanece brasileiro. Isso faz com que vivamos um clima de segurança vigiada. Os dados de criminalidade nos grandes centros são similares ao de cidades brasileiras como Palmas e Curitiba.
Contudo, o processo de estabilização política e governança do país ainda sofre com o alto índice de corrupção, lentidão nos avanços processuais e fragilidade das estruturas atuais. Há três anos não são realizadas as eleições legislativas e regionais, e o Congresso está funcionando em regime especial com apenas ¹/3 da casa. Eleições gerais são esperadas para esse ano já previsto para o terceiro pleito presidencial sob o mandato da MINUSTAH. Esse quadro fomenta incertezas quanto ao futuro das conquistas atuais e dos rumos da presença da ONU no país. A força militar estrangeira tem previsto para 2016 uma importante avaliação com possibilidade de sofrer diminuição e avançar para o seu fim – caso a PNH alcance os 15 mil policiais na ativa e capacidade operacional para prover a segurança do país.
Nossas pesquisas indicam que são três os principais bolsões de miséria da Zona Metropolitana da Capital: Cité Soleil (320.000), Canaan (150.000) e os Acampamentos de desabrigados (80.000 segundo relatório dez14 da OIM/ONU).
Alguns outros dados[1] evidenciam a dura realidade daquele que ainda é o país mais pobre das Américas:




HAITI 2014
Superfície
27.750 km²
-
População
10.579.230
Estimativa 2014
Juventude
41%
(-18 anos)
PIB por Habitante
U$ 760,00
(Anual)
Participação dos Principais
Setores da Economia no PIB
23%
18%
59%
Setor Primário
Setor Secundário
Setor Terciário
Taxa de Desemprego
40%
-
Taxa de Desocupação
28,9%
-
Pobreza Extrema
24,7%
58,6%
(- U$ 1,25/dia)
 (- U$ 2,50/dia)
IDH
0,471
(168º/187)
Taxa de Alfabetização
85,1%
(15 a 24 anos)
Taxa de Frequência Escolar
88%
(Ensino Fundamental)
Taxa de Mortalidade Infantil
88%o
(- 5 anos)
Cobertura Vegetal
2,2%
-
RELIGIÃO
Evangélicos

49,0%
Dados extraídos da  Enquete Nacional EMMUS V, promovida pelo Instituto Haitiano da Infância em parceria com o Instituto Haitiano de Estatísticas e Informática, em 2012.
Católicos
40,5%
Voduístas
1,5%
Sem Igreja
9%




[1] Extraído do Relatório do Conselho Econômico e Social do Haiti, publicado em 08 de outubro de 2014; e do Relatório Anual 2014, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, PNUD Haiti.

Postagens mais visitadas deste blog

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …

2015: ano de eleições e...

Porto Príncipe, Haiti - 12 de fevereiro de 2015. Por André Souto Bahia - Missionário no Haiti
GREVE GERAL NO HAITI: MANIFESTAÇÕES E PARALISAÇÃO TOTAL.

Pela segunda semana consecutiva em Porto Príncipe e alguns outros grandes centros do País, houve um grande movimento de Greve Geral promovido pela Plateforme Nationale des Syndicats de Transports Fidèles (PNSTF – Plataforma Nacional dos Sindicatos de Transportes Associados), paralisando não apenas todos os meios de transporte como também escolas, órgãos do governo, bancos e comércios. Entre os dias 2, 3, 9 e 10 vivenciamos dias como nunca vistos desde nossa chegada em Abril 2012. Mesmo aos domingos, quando a quantidade de carros e pedestres nas principais avenidas é bastante reduzida, nesses quatro dias da Greve o movimento foi ainda menor. A organização do movimento alega que o valor da redução dos preços dos combustíveis não é suficiente, e exige que o Governo reduza em HTG 100,00/galão (cem gourdes por galão é o equivalente a cerca d…