Pular para o conteúdo principal

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre
Moringa e Chocolate "Made In Haiti"
Foto: haitilibre.com

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.

No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".

"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos diretamente aos mercados de exportação", declarou Hugh Locke, presidente da SFA. "Assim, o fornecimento de serviços como sementes selecionadas, adubos e formação os ajuda a melhorar a gestão das suas empresas, especialmente diante da seca. Estes serviços agrícolas são oferecidos para os agricultores que plantam árvores, que em contrapartida, contribuem para diminuir o grave desmatamento no País".

As folhas da Moringa entraram para o panteão dos super-alimentos em razão da sua quantidade excepcional de proteínas, como também, pelas 27 vitaminas e 46 antioxidantes. Uma das plantas mais cheias de nutrientes do Planeta. Cerca de 80 mil moringueiras são cultivadas por pequenos agricultores no Haiti. Uma Rede de Cooperativas de Mulheres Camponesas limpam e tratam as folhas, as transformando em pó, o qual é bastante solicitados pelos consumidores haitianos e americanos. A empresa Kuli Kuli faz a otimização desta produção para obter a "Moringa Green Energy" que é comparado ao "Smoothie Vert" que contém cafeína.

O cacau é cultivado no Haiti há bastante tempo, e seus produtores sempre o utilizaram para a fabricação de chocolate, porém, com baixos benefícios para os pequenos agricultores, os quais, historicamente, sempre foram os produtores primários. A "Taza Chocolate" está engajada para mudar esta situação, sendo a primeira fabricante americana a importar o cacau orgânico do Haiti, de primeira qualidade. Em seu programa de comércio direto, a Taza paga duas vezes a mais que o preço exigido pela certificação "Fair Trade", pelo cacau cultivado pelos quase 1500 pequenos agricultores que estão gestando de maneira durável mais de 2 mil acres de terra certificadas biologicamente.

Postagens mais visitadas deste blog

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …

Lição de casa: plantar uma árvore!

BIDAmérica

Crianças de escola lideram uma iniciativa de reflorestamento numa aldeia de montanha no Haiti
Peter Bate
No Haiti, um país quase totalmente destituído de árvores, as crianças que freqüentam as escolas da comunidade de Saint Paul de Furcy estão fazendo mais do que sua parte habitual para combater os efeitos de uma história de desmatamento.

Numa tarde de verão, dezenas de alunos desceram por um caminho íngreme na montanha equilibrando pequenos cestos trançados na cabeça. Dentro de cada cesto havia uma muda cultivada num dos três viveiros de plantas mantidos por escolas locais. As crianças, com idade entre 5 e 12 anos, estavam a caminho de uma ravina próxima para plantar cedros, grevíleas e outras árvores perenes que ajudam a fixar o solo. Depois de firmar raízes, as árvores podem contribuir para estabilizar encostas e impedir deslizamentos como o que deixou uma enorme cicatriz de rocha nua e terra vermelha na montanha, bem em frente a um dos viveiros.

Centenas de crianças partic…