Pular para o conteúdo principal

Comércio da Grande BH se rende à banana verde, costume de haitianos

Os caribenhos adoram comer pratos que levam banana verde, o que levou muitos comerciantes do São Pedro a colocar a fruta dessa forma à venda




Pedro Ferreira
Publicação: 14/09/2014 06:00 Atualização: 14/09/2014 07:15

Haitianos que vivem na Grande BH dificilmente se misturam. “São fechados, desconfiados”, comentam brasileiros. Mesmo no local de trabalho são de pouca conversa. Nos fins de semana, os imigrantes reúnem parentes e conterrâneos em suas casas e se divertem ao som da “kompa”, música popular haitiana, cantada em crioulo. Não fazem bagunça, garantem os vizinhos, que só estranham a “fala embolada”. Os caribenhos adoram comer pratos que levam banana verde, o que levou muitos comerciantes do São Pedro a colocar a fruta dessa forma à venda. “Não serve banana de vez. Tem que ser verde, mesmo. Também compram muita pimenta”, percebe a balconista de supermercado Luciana Cardoso.

Marcílio de Moura é gerente de logística em uma distribuidora que emprega 35 haitianos em Contagem, e também considera os imigrantes muito fechados. “Não se relacionam com os brasileiros, o que não é bom, principalmente no trabalho. Peço a eles que se envolvam mais com os colegas, para que saibam diferenciar quem é do bem, quem é do mal”, disse Marcílio. O gerente tem medo de que eles se envolvam com pessoas erradas e com o uso de drogas. “Fico tranquilo em saber que eles têm uma orientação religiosa rígida”, disse.

ENDIVIDAMENTO Apesar dos princípios que chamam a atenção dos brasileiros, muitos haitianos se renderam ao consumismo e estão endividados. “Gastam o salário com smartphones e notebooks”, confirma o intérprete de uma empresa, Daniel Alves, contratado para acompanhar os haitianos no serviço. “Quando sobram R$ 300 para mandar para a família no Haiti, é muito”, completa o gerente Marcílio. Segundo ele, sua empresa demitiu cinco ou seis haitianos para que eles pudessem pagar dívidas usando o acerto. “Não entendem direito como funciona o cartão de crédito. Com três meses já devem até R$ 5 mil”, conta o gerente.
 
Segundo o professor Duval Fernandes, muitos imigrantes se esforçam para pagar dívidas de até US$ 5 mil com “coiotes” e ainda mandam parte do salário para as famílias no Haiti. “Muitas vezes, até a casa onde moravam no país natal é penhorada, tudo para começar uma nova vida no Brasil. Muitos sonham em trazer os filhos para o país, onde a escola é gratuita. Lá é muito cara.”

Há três anos, o Ministério da Justiça concede vistos de permanência em caráter humanitário aos haitianos, por causa dos efeitos do terremoto em 2010. Segundo Duval Fernandes, o consulado do Brasil no Haiti emite 680 vistos por mês e a demanda não para de crescer: deve aumentar para mil mensais até o fim do ano. De janeiro de 2012 até agosto deste ano, segundo o Ministério das Relações Exteriores, a embaixada em Porto Príncipe concedeu 8.661 vistos a cidadãos haitianos, em caráter humanitário, válidos por cinco anos. “Além disso, há 22 mil processos de pedido de refúgio em análise pelo Ministério da Justiça”, disse o professor da PUC Minas.

Postagens mais visitadas deste blog

Sopa Receita Joumou - Sopa da Liberdade!

Pra quem gosta de cultura e culinária, ta aí a Sopa da Liberdade!
Era um prato dos Colonizadores, e os escravos não tinham acesso, até à sua Independência. A partir daí, anualmente, no dia 1º de Janeiro (Dia da Independência) eles a celebram degustando essa prato tipicamente Haitiano. Uma boa dica para as Feiras Missionárias no Brasil!
Sopa Receita Joumou
Sexta-feira, 4 de marco de 2011 16:24



O prato monumental da Revolução haitiana, Sopa Joumou, sopa de abóbora, E o Prato De conquistadores. E tradicionalmente servido no Dia da Independência do Haiti, 01 de janeiro, Como hum começo Saudável par o Outro ANO.

Ingredientes
- 1 kg de carne faça Pescoço OU rabo de boi
- 1/2 limão
- Sal fino
- Esmagado pimenta preta
- Água (Suficiente parágrafo cobrir uma carne; Mais Água podem Ser adicionados Mais Tarde parágrafo ajustar uma consistência)
- 2 kg abóbora, descascados e cubbed (alternadamente, utilizar abóbora enlatada)
- 1 cebola Pequena Cortada los cubos
- 2 Talos cebolinha verde picada
- 4 Dentes de…

Pós Furacão Matthew... oportunidade de fazer a diferença!

Nossa família e Equipe missionária estão bem, graças a Deus!
Já estivemos lá na região analisando os danos, prestando uma ajuda inicial a algumas famílias, e elaboramos uma proposta de Plano de Ação Emergencial para nossa agência. Estamos aguardando a decisão do Gabinete de Crise da Junta para agir em favor das vítimas. Ore por isso, ok?
Nesse momento o que é mais urgente é alimento e a restauração dos telhados e casas afetadas pelos ventos. Como a logística de armazenamento, transporte e envio do Brasil para o Haiti é bastante cara, demorada e vulnerável a questões aduaneiras, nossa sugestão é para que enviem recursos financeiros, e o que for arrecadado aí, como roupas, sapatos e outros itens, vocês realizem Bazares e Eventos (almoços ou jantares) para reverter os itens arrecadados em recurso financeiro que será bem mais facilmente transferido e revertido aqui na economia local, em alimentos e materiais de construção.
Para ajudar:
1) Através do "Ajude Agora Haiti" coordenad…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…