Pular para o conteúdo principal

Invocação e Vocação Ministerial

Por João Pedro Gonçalves Araújo


“Rogai ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara”, Lc 10.2


Os evangelhos sinóticos parecem ser unânimes em mostrar que a vocação ministerial precede o próprio exercício do ministério. Antes de qualquer milagre, pregação ou ensino público, Jesus chamou homens para ajudá-lo. As vocações, outrossim, continuaram ao longo da vida de Cristo. Uma certa feita ele enviou setenta desses discípulos para uma missão de pregação, curas e libertação.

Não é sempre que atentamos para esses contínuos chamados. Parece, no entanto, que eles continuaram até perto da morte de Jesus. Nos últimos meses entre os homens, Jesus travou diálogos com alguns que alegaram algumas dificuldades em segui-lo. No entanto, ele os desafiou a segui-lo, e, mais que isso, pregar o evangelho. Quantos, então, Jesus chamou? Não sabemos. Mais de cem, certamente. Depois da sua morte, a comunidade dos discípulos já chegava a cento e vinte. Cleopas, José Barsabás e Matias são alguns dessa comunidade ampliada dos vocacionados. Mesmo depois de morto, continuou a chamar e vocacionar pessoas. Como não lembrar de Saulo?

Mas Jesus não apenas chamou. Ele mandou que os discípulos chamassem outros; mandou que orassem pedindo que Deus mandasse mais e mais obreiros. O que ele fez, queria que seus discípulos fizessem. Os discípulos levaram a sério o exemplo e o mandado. Naturalmente o leitor lembrou das duplas Moisés e Josué, Elias e Eliseu, numa referência ao AT. No NT, Pedro e André, Felipe e Natanael são exemplos de discípulos que chamam outros. Já bem cedo na história da Igreja, Marcos, Barnabé, Estêvão, Filipe, Tiago, Judas e Silas são citados como pregadores e auxiliares, exercendo diferentes dons e até mesmo realizando milagres.

De todos os seguidores, parece, ninguém foi mais pródigo a vocacionar tantas pessoas quanto Paulo. Mais de sessenta obreiros e cooperadores são citados nas suas cartas. Sabe-se que ele pessoalmente consagrava obreiros nas igrejas que fundava, além de enviar seus cooperadores mais próximos a que fizessem o mesmo nas novas igrejas, quer as tenha fundado ou não. Paulo era um vocacionado. Ele vocacionava outras pessoas. Ele encarregava a que seus vocacionados vocacionassem novos obreiros.

A partir do ministério e mandato de Jesus e o que foi praticado no ministério dos seus seguidores, pode-se pensar no seguinte princípio: tão prioritário quanto o exercício ministerial é a vocação e a invocação por novos obreiros. Outro princípio igualmente importante: a vocação e invocação por novos obreiros é melhormente feito por quem está envolvido diretamente no ministério. O exercício do ministério pessoal, a oração e a invocação a que Deus vocacione novos obreiros são parte de uma mesma tarefa. Só quem realmente está engajado na obra do ministério sabe o privilégio de tal tarefa e sente a necessidade de que muito mais pessoas se engajem profundamente na mesma tarefa.

A tarefa de missões, tão cara aos batistas, só pode ser completamente cumprida se, ao mesmo tempo em que se cumpre o ide, a invocação da vocação seja igual e simultaneamente cumpridas. A invocação pela vocação e o exercício da vocação são igualmente mandatos de Jesus, dois lados de uma mesma moeda, duas pernas de um mesmo corpo, duas ações de uma mesma tarefa. Missão sem vocação cria um déficit de obreiros. Vocação sem missão cria um inchaço de obreiros.

Tão importante quanto invocar por novos obreiros é vocacionar ou ajudar a despertar novas vocações. Além dessas duas tarefas, há uma outra associada: a preparação para o ministério dos vocacionados. É contraditório que vocacionados orem e chamem novos vocacionados e estes sejam preparados por quem não está, de alguma forma, engajado em tais tarefas, ou no mesmo “clima”. Tão importante quanto invocar e ajudar a despertar novas vocações é a tarefa de preparar os vocacionados. Invocar e despertar novas vocações são tarefas de vocacionados e engajados no ministério da Palavra. Porquê, então, esperaríamos que fosse diferente?

____________________________
Pr. João Pedro é o pastor titular da Igreja Batista no Lago Sul, em Brasília/DF, graduado em Filosofia e Teologia, Mestre em Ciências da Religião e Doutor em Sociologia.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …