Pular para o conteúdo principal

Sonho brasileiro aquece comércio de documentos e vistos falsos no Haiti

G1- notícias em Mundo

Haitiano ofereceu visto falsificado por US$ 1.700 para repórter do G1.
Desde o tremor de 2010, cerca de 20 mil haitianos imigraram para o Brasil.


Em Pétion Ville, bairro nobre da capital haitiana que abriga a embaixada brasileira em Porto Príncipe, o sonho de fugir da falta de trabalho no país mais pobre das Américas e migrar legal ou ilegalmente para o Brasil virou um nicho de negócio, onde despachantes, falsificadores, aliciadores, coiotes, atravessadores e negociadores tentam ganhar dinheiro. O G1 flagrou na frente do prédio da embaixada a venda de visto e de outros documentos falsificados, além de supostas facilidades que prometem acelerar a viagem dos haitianos ao Brasil.

Haitianos em busca de visto fazem fila na frente da
embaixada brasileira (Foto: Tahiane Stochero/G1)

John, de 28 anos, um dos que oferece serviços para ajudar haitianos na fila, disse à reporter que conseguia um visto para entrar no Brasil por US$ 1.700 (R$ 3.706). Ele não indicou, no entanto, quanto tempo demoraria para entregar o documento e afirmou que só passaria mais informações com a garantia do pagamento. Atestou que, com o visto, é possível "embarcar sem problemas".

Todos os dias, dezenas de haitianos se amontoam em frente à embaixada. Alguns dormem ali mesmo. John é um dos comerciantes que oferece seus serviços para ajudar os haitianos na fila. Por US$ 15 (R$ 32), preenche um formulário necessário para iniciar o processo e que está disponível gratuitamente na internet. Já por US$ 30 (R$ 65), ele monta um currículo.

De camisa e calça social, com um laptop em uma bolsa preta de mão, ele carrega panfletos oferecendo seus trabalhos como "J.J. Services" e garante obter os documentos necessários, expedidos por órgãos públicos, o quanto antes ao preço de US$ 100 (R$ 218) cada. Até mesmo uma entrevista para o visto para o próximo dia 21 de outubro ele promete conseguir.

John afirma que também está em busca do visto para o Brasil, que conhecia haitianos que imigraram ilegalmente e que só quer ajudar quem está em busca do documento.

Em janeiro de 2010, um terremoto de magnitude 7 deixou cerca de 300 mil mortos e milhares de desabrigados, destruindo a infraestrutura pública e privada do Haiti. Desde então, cerca de 20 mil haitianos já imigraram para o Brasil. Segundo a Polícia Federal, 10,8 mil entraram ilegalmente pela fronteira do Acre e pediram refúgio. Em 2013, o número de haitianos que migra desta forma triplicou -foram mais de 6 mil só nos primeiros nove meses deste ano. Outros 2 mil ainda estariam irregulares.


Em 2012, o governo começou a expedir um visto de residência em caráter humanitário na embaixada em Porto Príncipe, reduzindo as exigências e cobrando US$ 200 (R$ 436) pelo documento. Até setembro deste ano, foram expedidos pela embaixada 3.951 vistos individuais e mais 817 vistos de família (que permitem levar a mulher e os filhos para o Brasil). Outros 614 foram expedidos na República Dominicana e no Equador.

Os haitianos reclamam, porém, das dificuldades em obter o documento e de marcar a entrevista. Com isso, buscam meios ilícitos para conseguir o visto.

Segundo o cônsul Vitor Hugo Irigaray, o agendamento das entrevistas – que são feitas por ele próprio – só pode ser realizado por telefone. A embaixada chegou a receber 26 mil telefonemas em um só dia, mas opta por atender apenas 50 ligações. Por isso, as entrevistas podem demorar alguns meses – e esta é a principal reclamação dos haitianos ouvidos na fila pela reportagem.

"Já descobriram até meu celular pessoal, ligaram para minha casa tarde da noite. Antigamente, recebíamos listas de políticos pedindo a expedição do visto. Acabei com isso", afirma Irigaray.

Falsificações

Na embaixada, várias pastas com documentos sob suspeita de falsificação estão sob análise, inclusive vistos. Uma das investigações aponta que a haitiana Nadine Cenor, de 26 anos, comprou por US$ 2.500 (R$ 5.450) um visto e, com o documento, entrou no Brasil pelo Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, em 25 de março deste ano. Ao contrário do padrão brasileiro, o visto dela – com o número 545690 – apresentava o sobrenome e depois o nome. A PF em Cumbica não percebeu a falsificação e oficializou Nadine no Sistema Nacional de Estrangeiros erroneamente: seu nome está cadastrado como Cenor Nadine.

Cônsul no Haiti analisa pedido de visto para entrar
no país de forma legal (Foto: Tahiane Stochero/G1)

"Documentos falsos, como certidões de nascimento, casamento e de residência, aparecem aqui às dezenas. [...] Eu barro aqui ao perceber alguma diferença"
Vitor Hugo Irigaray, cônsul do Brasil no Haiti.

PF, Interpol e diplomacia brasileira apuram casos
de falsificação de visto (Foto: Tahiane Stochero/G1)

"Filas de 400 pessoas se formam na frente da embaixada, é muito fácil alguém se infiltrar lá e tentar oferecer estes serviços. Não temos como coibir e monitorar isso, não é nossa função".
José Luiz Machado e Costa, embaixador do Brasil no Haiti.

De volta a Porto Príncipe para tentar obter uma forma de levar o restante da família para o Brasil, o cônsul percebeu o problema: o visto apresentava coloração e padrão diferente do modelo oficial. PF e as autoridades haitianas foram alertadas da fraude. A PF confirmou que possui investigações, junto com a Interpol, sobre vistos falsos que foram identificados em São Paulo e em Cascavel (PR).

"Documentos falsos, como certidões de nascimento, casamento e de residência, aparecem aqui às dezenas. Até documentos falsos que são validados pelos órgãos do governo haitiano, com carimbos ou selos, que não sabemos se são verdadeiros, pois não há como confirmar. Eu barro aqui ao perceber alguma diferença", explica o cônsul.

Para expedir o visto família, o cônsul entrevista a mulher e o marido, tentando confirmar se são casados mesmo. Em um dos casos de fraude verificado, o casal não sabia nem a data de casamento. Em outro, a mulher apresentou certidão de concubinato com o irmão do marido com o qual possuía um casamento registrado em cartório.

Em agosto, o então ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, mandou o Itamaraty apurar suspeita de fraude para liberação do visto por parte de funcionários haitianos da embaixada. Segundo o embaixador José Luiz Machado e Costa, não foram levantados elementos para confirmar a denúncia que, segundo ele, muitas vezes é feita de má fé por parte de haitianos que desejam acelerar o atendimento.

"O que há são desconhecidos que oferecem serviços do lado de fora da embaixada e que usam de artifícios para explorar e extorquir estas pessoas, que muitas vezes acham que são nossos funcionários", explica ele. Ao redor da embaixada, lan houses e despachantes colocam cartazes, "oferecendo formas de acelerar o processo".

"Filas de 400 pessoas se formam na frente da embaixada, é muito fácil alguém se infiltrar lá e tentar oferecer estes serviços. Não temos como coibir e monitorar isso, não é nossa função", acrescenta o embaixador. Segundo ele, não há como o Brasil cobrar uma repressão por parte do governo haitiano. "Não há aqui uma polícia investigativa para descobrir isso. O que fazemos é trabalhar em campanhas de esclarecimento das informações", defende.

Em junho de 2012, uma haitiana foi presa pela Polícia Nacional Haitiana do lado de fora da embaixada, após ser acionada pelos funcionários brasileiros, "intermediando a solicitação de vistos para grupos e deles cobrando taxas indevidas com o objetivo de supostamente facilitar a obtenção de visto para o Brasil".

Haitianos buscam na embaixada em Porto Príncipe
visto para o Brasil (Foto: Tahiane Stochero/G1)

Em outro caso, diz o cônsul Irigaray, uma mulher chegou à embaixada com uma lista de mais de 200 nomes e passaportes. A intenção deles era vir ao Brasil para um congresso evangélico – cada um deles havia pago US$ 2 mil (R$ 4.360) para ela intermediar o visto. Os passaportes foram apreendidos e a polícia também foi acionada.

Demanda reprimida

Para solicitar o visto de residência em caráter humanitário, a embaixada exige, além de um passaporte, uma certidão de antecedentes criminais, um certificado de residência homologado pela Justiça haitiana, um currículo e o formulário de cadastro da embaixada. São 5 pessoas que trabalham no processo na embaixada em Porto Príncipe e não conseguem vencer a demanda.

Em janeiro de 2012, o Conselho Nacional de Imigração, órgão ligado ao Ministério do Trabalho, aprovou a concessão de 1,2 mil vistos por ano para haitianos que pretendem migrar para o Brasil. O documento, em caráter especial, passou a ser expedido com validade de 5 anos no Haiti, Equador, Peru e República Dominicana. Em abril deste ano, o Itamaraty acabou com o limite de 100 vistos por mês e, agora, só em Porto Príncipe, quase 100 processos são iniciados por semana, demorando em média 3 semanas para serem concedidos. Em 2012, a concessão chegou a demorar até 8 meses, pois os pedidos se amontoavam nas prateleiras.

"A demanda reprimida é enorme, de uns mil a dois mil por dia. Antes, tentavam entrar na embaixada a qualquer custo, queria falar comigo, gritavam aqui na frente. Então criei o sistema de agendamento por telefone por nome e só entra quem está na lista. Temos poucos funcionários aqui, não tem como atender todo mundo", afirma o embaixador.

"Estou há seis meses ligando e nada, não consigo um horário para entregar os documentos", diz o agrônomo Jolvin Celestin, de 30 anos. Formado em Cuba, ele quer migrar para o Brasil porque vê o Brasil como "um primo do Haiti que deu certo". "Aqui não tem trabalho, tem que sair do Haiti para conseguir dinheiro", defende Celestin.

Também na frente da embaixada, Louis Hubert, de 32 anos, reclamava do processo. "Esta história de só poder agendar por telefone é ruim, a gente liga, liga, e ninguém nunca atende. Tenho 4 ou 5 amigos que foram ilegais para o Brasil, eles querem me levar, mas eu acho muito arriscado, você pode demorar meses para chegar lá e ainda ser preso, torturado. Vou continuar tentando o visto", diz.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …