Pular para o conteúdo principal

Um novo Haiti está acontecendo


Sem dúvidas que Deus continua sentado no trono e tudo governa.


A reconstrução do Haiti é obra da graça e manifestação cotidiana do amor, misericórdia e propósitos de Deus.

A Capital mais parece, hoje, um canteiro de obras: ruas sendo organizadas e pavimentadas, calçadas sendo construídas, prédios e instituições governamentais sendo reconstruídos, praças limpas e revitalizadas, máquinas, tratores, homens trabalhando. Esse é o quadro pintado no dia-a-dia de Porto Príncipe, quase 4 anos após o pior terremoto da sua História.

Um Programa Governamental, com o aporte da ONU, fechou os seis maiores campos de deslocados do terremoto, que ocupavam grandes áreas na capital, alguns com até 15 mil pessoas, e realocou cerca de 45% das famílias em 16 novos bairros-comunitários novinhos em folha nos arredores da Grande Porto Príncipe. Parte desse percentual também foi incluso no programa da OIM de aluguel-social por um ano. Algumas famílias retornaram aos seus Estados de origem, especialmente as oriundas do Norte e Nordeste do país, onde os programas de desenvolvimento do país são mais intensos – fruto da estratégia do Governo para desinchar a capital que serviu de refúgio por décadas para a migração da população interiorana em busca de condições melhores que nunca chegaram.

O Turismo tem se mostrado como o carro-chefe do alavancar de um tempo para o Haiti.

Experience it....Haiti se la pou'w la ! !!!
Foto: Réseau de l’Organisation mondiale du tourisme - Site Oficial

Algo que já realidade há décadas do outro lado da fronteira, na mesma ilha, na vizinha República Dominica que respira o turismo e atrai ano após ano mais e mais turistas do mundo inteiro, vem se tornando prioridade na agenda do novo Estado Haitiano. Um exemplo é o acordo de intensões fechado entre os proprietários dos maiores resorts de Punta Cana – principal atrativo Dominicano, e o Ministério do Turismo haitiano, elegendo a Costa do Ferro, próximo à cidade de Jacmel, no sudeste do país, para receber seus altos investimentos. A cidade de Jacmel, naturalmente bela e histórica – embora com a aparência do abandono vivido das últimas décadas, também começa se assemelhar a um canteiro de obras. Desde as rodovias que ligam o Aeroporto Internacional Toussant Lourverture, em Porto Príncipe – que foi totalmente reformado, ganhou esteiras elétricas, corredores que recebem os passageiros na porta do avião, segurança e conforto de um aeroporto simples, mas, organizado, sendo reinaugurado no segundo semestre do ano passado – aos seus pórticos de boas-vindas, à orla da praia que está ganhando calçadões que lembram Copacabana, à ampliação da rede hoteleira e adequação dos serviços e da população para receber estrangeiros, ao Aeroporto local que deverá ganhar o status de internacional até o final de 2015, Jacmel e a Costa do Ferro caminham para impulsionar a transformação do Haiti.


Uma nova Companhia Aérea legitimamente haitiana fez, recentemente, seu primeiro voo, concretizando o projeto de tornar o Haiti rota do turismo histórico e litorâneo. O primeiro pacote turístico para o Haiti, com saída de Miami, EUA, levando os turistas a conhecerem a Citadela Lafaiete, a 35 km de Cabo Haitiano (N) – fortaleza construída pelos líderes da Independência Haitiana que permanece quase intacta, e agora com infraestrutura turística funcional, o Fort Liberté (NE) – último reduto do Exército Francês que marcou a vitória da revolução haitiana, e a Praia de Labadee – arrendada à empresa Royal Caribbean, e que possui infraestrutura turística de primeiro mundo, recebendo anualmente mais de 100 mil turistas através dos maiores transatlânticos do mundo, tudo isso, já é realidade no dia-a-dia de um novo Haiti.

Você ainda pode ver mais no 1º E-book Turístico do Haiti: http://incasproductions.com/ebook/

Um Haiti real

A realidade das mudanças não tira, ainda, a dureza da vida de maioria da população haitiana. O analfabetismo, o desemprego, as condições de saneamento básico, o acesso aos serviços básicos de saúde e educação ainda estão longe de serem passado. Mas, se não se pode deixar de ver e sentir esta realidade, aquela também já não pode ser mais vista apenas como um sonho.

Um novo Haiti está acontecendo!

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …