Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2013

Haiti faz progressos e quer ser uma nação emergente até 2030

ISTOÉ Dinheiro
Governo haitiano informou à Comissão Europeia que o país progrediu Por Agência Brasil

Foto: Mobilização Mundial
O governo do Haiti informou à Comissão Europeia, órgão político e econômico da União Europeia (formada por 28 nações), que o país progrediu em decorrência da aplicação dos recursos remetidos pelos europeus para ajudar a população. O Haiti já recebeu 85% dos 522 milhões de euros disponibilizados há três anos. Em janeiro de 2010, houve no Haiti o pior terremoto da história recente do país, registrando 7 graus na escala Richter.
“Fizemos enormes progressos nos últimos dois anos”, disse o primeiro-ministro do Haiti, Laurent Lamothe. “[O país sofreu] uma catástrofe de enormes proporções e agora luta não apenas para utilizar essa cooperação da melhor forma possível em favor do povo haitiano, mas também, de forma paralela, para voar com as suas próprias asas”, acrescentou.

Segundo ele, serão feitos investimentos nos setores aduaneiro e fiscal com vistas a aperfeiçoar o…

Um novo Haiti está acontecendo

Sem dúvidas que Deus continua sentado no trono e tudo governa.
A reconstrução do Haiti é obra da graça e manifestação cotidiana do amor, misericórdia e propósitos de Deus.
A Capital mais parece, hoje, um canteiro de obras: ruas sendo organizadas e pavimentadas, calçadas sendo construídas, prédios e instituições governamentais sendo reconstruídos, praças limpas e revitalizadas, máquinas, tratores, homens trabalhando. Esse é o quadro pintado no dia-a-dia de Porto Príncipe, quase 4 anos após o pior terremoto da sua História.
Um Programa Governamental, com o aporte da ONU, fechou os seis maiores campos de deslocados do terremoto, que ocupavam grandes áreas na capital, alguns com até 15 mil pessoas, e realocou cerca de 45% das famílias em 16 novos bairros-comunitários novinhos em folha nos arredores da Grande Porto Príncipe. Parte desse percentual também foi incluso no programa da OIM de aluguel-social por um ano. Algumas famílias retornaram aos seus Estados de origem, especialmente as ori…

Após Mundial, judoca do Haiti vira inspiração: 'Isso não se compra'

globoesporte.com
Por Thierry Gozzer e Raphael Andriolo Josue Deprez, de 31 anos, começou no esporte aos 14 anos, em uma comunidade pobre do país, e vive há oito nos EUA, onde trabalha e treina
Josue Deprez é um dos principais atletas do Haiti (Foto: Ernesto Sempoll)
O pequeno corredor pelo qual os judocas tinham que atravessar para deixar a área de luta e seguir para os vestiários do Maracanãzinho era escuro, coberto por uma lona de proteção e cheio de seguranças. Por lá passavam vencedores e derrotados. Alguns rindo, outros chorando. Quem viu Josue Deprez andar por aqueles poucos metros, porém, demorou a decifrar o resultado de sua luta. Mesmo eliminado antes de chegar à finais, o judoca deixou o Mundial do Rio de Janeiro sentindo-se um vencedor.

Aos 31 anos, Josue nasceu no Haiti, país mais pobre das Américas, com 45% da população analfabeta e que em 2010 sofreu um dos maiores terremotos da história, com força de 7 graus na escala Richter, deixando 200 mil mortos, na maior crise já enf…

Tenista supera tragédias e deixa o Haiti para brilhar no US Open

sportv.com

Victoria Duval, de apenas 17 anos, elimina campeã de 2011 e conquista
o público, após ser refém de assalto e ter o pai soterrado em terremotoSer a número 296 no ranking mundial pode não parecer um grande feito. Porém a jovem Victoria Duval, de apenas 17 anos, já tem motivos para se orgulhar. A tenista superou uma infância complicada no Haiti e sobreviveu a um assalto no qual foi refém aos sete anos de idade. Em 2010, após terremoto que matou mais de 315 mil pessoas, ainda teve o pai soterrado por 11 horas.

Depois de tanta superação, Victoria se destacou no US Open, onde conseguiu derrubar a australiana Samantha Stosur, campeã do Grand Slam em 2011 e 11ª do ranking da WTA (assista ao vídeo).

- Este foi apenas mais um torneio, vou continuar trabalhando duro. Eu me saí melhor do que no ano passado. Estou feliz com isso - disse Victoria, depois da eliminação.
Victoria Duval, aos 17 anos, fez história no US Open
(Foto: Reuters)

Nascida nos Estados Unidos, a tenista passou parte da…