Pular para o conteúdo principal

Haiti: pais deixam filhos em orfanato para que possam ter o que comer

Terra Brasil



Em meio à extrema miséria, muitos pais haitianos tomam uma difícil decisão: deixar seus filhos em um orfanato, para que tenham o que comer e acesso à educação, em um país já marcado pela miséria antes mesmo do violento terremoto há três anos.

Este foi o caso dos pais de Berzelais, que deixaram o filho há seis anos no orfanato Rose-Mina de Diegue, na capital do Haiti, que hoje acolhe 96 menores e é um dos poucos que tem condições de dar alimento diário e educação regular a seus internos.

Barzelais tem agora 18 anos e não pretende se desligar da instituição.

Come e vai para a escola, um luxo para muitos em seu país. Também ajuda a cuidar das crianças do orfanato, explica à AFP este jovem que perdeu uma das pernas em um acidente quando criança e que, segundo os funcionários do local, é muito bom com equipamentos eletrônicos.

Esta é uma história que se repete no orfanato comandado por Osvaldo e Rolande Celestin Fernandes. Ele um militar argentino que há mais de uma década deixou seu país para se casar com uma pastora de uma igreja protestante haitiana que dedica sua vida aos pobres.

"As mães chegam o tempo todo sem possibilidades de criar seus filhos, e nós os aceitamos, órfãos ou não. Aqui comem todos os dias e vão à escola, e por isso suas famílias acreditam que podem viver melhor", explica Marie Sandra Edouard, filha de Roland Celestin e que é responsável pelo local na ausência de seu pai.

As crianças, muitas delas com visíveis sequelas da desnutrição com a qual tiveram que conviver desde o nascimento, têm entre 0 e 18 anos, e o orfanato está em um dos raros bairros em condições menos precárias.

"Sempre falta dinheiro. Damos o que comer às crianças três vezes ao dia, mas é uma tarefa quase impossível", explica Marie Sandra.

Hoje, os pequenos correm alegremente ao redor de um grupo de soldados voluntários da Companhia de Engenharia do Brasil, que trouxe alimentos ao orfanato. Se servem, uma, duas, três vezes em pratos que chegam a transbordar do cozido levado à mesa com o maior cuidado, até aqueles que mal aprenderam a andar.

A capitão Tatiana Microni carrega em seus braços uma menina de um ano e meio de idade que não parece ter mais do que sete meses. "Quando chegou aqui estava muito pior, agora com a comida está se recuperando aos poucos", explica.

No Haiti, segundo dados do programa da ONU para o Desenvolvimento, 22% das crianças com menos de cinco anos sofrem de desnutrição crônica. Antes do devastador terremoto de 2010, a situação era ainda pior: 30%.

Cerca de quatro milhões de pessoas vivem em condições de insegurança alimentar neste pais de dez milhões de habitantes, uma situação agravada com a seca e os furacões do final do ano passado, explica à AFP o representante no Haiti da FAO (Organização da ONU para a Alimentação e a Agricultura), Frits Ohler.

"Dois terços da população no Haiti vive no campo e da agricultura, ainda assim, mais de 50% da comida consumida no país é importada", explica o responsável.

Melhorar a produção agrícola no país depende de desafios que vão dos extremos climáticos até a falta de definição sobre a titularidade das terras, baixa produtividade, alta degradação ambiental, com apenas 2% das florestas preservadas, e em determinados períodos uma escassez de sementes para o plantio que se inicia agora.

O Haiti foi devastado por um terremoto em 2010, além de uma epidemia de cólera que tirou a vida de milhares de haitianos.



Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …