Pular para o conteúdo principal

Artesãos prosperam no Haiti três anos após terremoto

Mundo - iG
AP | 12/01/2013 05:00:43
Por Martha Mendoza e Trenton Daniel

Indústria artesanal de país devastado por tremor de 2010 desfruta de impulso de grupos de defesa que ajudam a organizar os funcionários e melhorar a qualidade do trabalho

O cheiro de verniz invade o ar à medida que um grupo de mulheres e homens corta e prepara a madeira para produzir tigelas destinadas a lojas de departamentos dos EUA. Em outras oficinas haitianas, vasos com lantejoulas rosas, verdes e azuis aguardam ser comprados, assim como libélulas recortadas de tambores de aço reciclado.

Dois vendedores haitianos se abrigam do calor em prédio danificado pelo terremoto de 2010 no centro de Porto Príncipe (09/01)


Três anos depois de um terremoto devastador , ainda é preciso haver muita melhora econômica nesse pobre país caribenho, mas um pequeno nicho obteve um grande avanço: o artesanato.

A indústria artesanal desfruta de um impulso de grupos de defesa que ajudam a organizar os funcionários e melhorar a qualidade do trabalho. Grandes varejistas como Macy’s e a Anthropologie e três designers de luxo estão entre aqueles que trabalham com pelo menos cinco grupos para exportar artesanato haitiano.

"Notamos um aumento nas (nossas) vendas logo após o desastre", disse Michele Loeper, uma porta-voz da Ten Thousand Villages, uma das poucas varejistas dos EUA que compravam artesanato haitiano antes do terremoto. "De certa forma, foi a nossa maneira de fornecer o auxílio necessário para o país."

O número de artesãos aumentou e mais oficinas foram abertas ao redor de todo o Haiti, graças a uma injeção de mais de US$ 3 milhões de grupos como o Banco Interamericano de Desenvolvimento e do Clinton Bush Haiti Fund, organização sem fins lucrativos criada pelos ex-presidentes dos Estados Unidos Bill Clinton (1993-2001) e George W. Bush (2001-2009).

O número de artesãos empregados aumentou de 450 em setembro de 2011 para 2,1 mil em julho de 2012, de acordo com o Business Network Artisan, um grupo de defesa recém-formado com base em Porto Príncipe, Haiti.

Mas, em geral, cerca de 400 mil haitianos estão envolvidos em pelo menos algum tipo de trabalho artesanal, com cerca de 1 milhão dependendo de produtores artesanais, de acordo com um relatório de 2010 financiado pelo grupo canadense de Brandaid e pelo americano Internacional CHF (conhecido como Global Communities), que contribui para ajudar com o desenvolvimento sustentável.

"Queremos que as pessoas comprem do Haiti não por que têm pena dos haitianos, mas por que o produto é bem feito, o preço é bom e é algo que eles podem usar", disse Nathalie Tancrede, cofundadora da rede de negócios dos Artesãos.

Os lucros arrecadados pelos artesãos do Haiti se encaixam em uma tendência mais ampla chamada de "moda ética", na qual pequenas empresas empregam artesãos em países em desenvolvimento para produzir um tipo de produto com desenhos feitos à mão para os consumidores socialmente conscientes.

Não há números exatos sobre quanto o setor de artesanato do Haiti contribui para suas exportações, mas ele está muito atrás das roupas. O setor de vestuário representou 93% dos US$ 768 milhões de exportações do Haiti arrecadados no ano passado, valor que ultrapassou os US$ 563 milhões no ano do terremoto, segundo o Banco Central do Haiti.

Residentes do campo de Jean-Marie Vincent, montado para abrigar desalojados pelo terremoto de 2010, esperam por compradores para seus produtos em Porto Príncipe (09/01)


O custo no Haiti pode parecer distante do custo do mesmo artesanato comercializado em uma loja nos EUA, onde o preço final é maior por causa dos gastos com transporte, estocagem, marketing e outros.

O artesão Felix Calixte disse que ganha US$ 6,5 para uma moldura de metal em um estilo semelhante ao que está à venda na Macy’s por cerca de US$ 40. Ainda assim, Calixte pode fazer três em um dia ganhando quase US$ 20, cinco vezes o valor da renda mínima diária no Haiti.

No distrito de Carrefour, um empresário curiosamente chamado Einstein Albert se inclina sobre os trabalhadores para inspecionar o processo final da construção das tigelas de madeira.

"Quando pensamos em Cuba, eles têm seus charutos. A Colômbia tem o café", disse Albert. "Se o Haiti tem uma imagem para vender e pode competir no Caribe, oferecer algo ou criar mais emprego, o fará por meio do setor de artesanato."

Cada tigela leva seis semanas para ser esculpida, lixada e selada com 13 camadas de verniz. Elas foram vendidas em lojas selecionadas da Macy’s por US$ 75 cada e por sites americanos de artesanato, juntamente com alguns hotéis de luxo em Porto Príncipe frequentados por trabalhadores humanitários, diplomatas e empreiteiros.

"As pessoas dizem que minha família acertou em cheio quando me chamaram de Einstein pois nós fornecemos produtos de qualidade", disse.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …