Pular para o conteúdo principal

Um Novo Tempo para um NOVO HAITI



Por André Souto Bahia 
Missionário no Haiti 


Cidadela de Lafaiette - Google Imagens
















HAITI: conhecido mundialmente como palco de algumas das últimas catástrofes na História, como o terremoto de 7,0 graus na Escala de Richter, no dia 12 de janeiro de 2010 que matou mais de 300 mil pessoas e deixou 1,5 milhão de desabrigados. Como o surto de cólera que desde dezembro de 2010 já matou mais de 7 mil haitianos, ou ainda por estar localizado na faixa do globo rota de furacões e tempestades tropicais como o Isaac e o Sandy deste ano. Esse mesmo Haiti – terra montanhosa, de belezas naturais e históricas que contrastam com a miséria e o caos social dá sinais de viver um novo tempo.

Apesar da presença militar estrangeira e das mais de dez mil ONG’s atuando em solo haitiano é perceptível o começo da mudança tão necessária e clamada pelo remanescente do Corpo de Cristo que permanece fiel e confiante na transformação da Nação. Ruas estão sendo pavimentadas, prédios construídos, as instituições estatais começam a dar sinal de reestruturação física e organizacional, o comércio e a indústria vão readquirindo seu espaço no cenário econômico nacional, a educação básica oferecida gratuitamente pelo Estado voltou a ser oferecida, e, o principal elemento de mudança, a Igreja, vem apresentando frutos em uma comunidade que clama por um desenvolvimento integral.

Sem dúvida que ainda há muito, mas muito mesmo para vermos e ouvirmos sobre Um Novo Haiti. Os estudiosos da História são, praticamente, unânimes em afirmar que nenhuma mudança profunda de cultura ocorre com menos de uma geração, ou seja, vinte a vinte cinco anos. Porém, toda mudança tem um começo, um ponto de partida que impulsiona a mola da transformação, e é esse momento que estamos percebendo na história haitiana atual.

Um exemplo sobre essa questão foi o que vivenciamos através da 5ª edição do Conexão Haiti - Caravana Missionária coordenada pelo Setor de Voluntários da JMM, realizada em outubro passado. Foi possível inovar utilizando uma metodologia que está proporcionando continuidade pós-caravana. Além dos 641 atendimentos médicos-odontológicos, das 1.152 pessoas evangelizadas através das atividades de educação infantil, artes, esportes e capelania comunitária durante doze dias de trabalho em quatro igrejas-comunidades, 145 pessoas receberam capacitação básica como agentes de transformação comunitária nas áreas de Prevenção em Saúde, Técnicas de Evangelização, Ministério com Crianças na Igreja, e Ministério Esportivo Missionário.


Entrega dos Certificados aos Agentes de Desenvolvimento Comunitário
Foto: Verônica Bahia - JMM



No último dia 18 de novembro, foi realizada em parceria com a CEBAHMI (Conexão das Igrejas Batistas Haitianas para Missão Integral), uma grande festa de celebração a Deus por essa conquista na capacitação de pessoas – um dos objetivos principais do projeto Por Um Novo Haiti. Dias antes a este evento, em uma reunião de avaliação, a liderança nacional foi unânime em afirmar que a realização dos cursos de formação básica ministrados pelos voluntários brasileiros e chilenas “foi uma grande bênção à Igreja Haitiana”, e que “veio do próprio Deus a direção para tal realização”.

No próximo mês de janeiro 2013, já está agendado o próximo Tour of Hope Haiti, com 40 vagas para voluntários evangélicos brasileiros e de outras nacionalidades que queiram se envolver nesse Novo Tempo de Um Novo Haiti. Interessados devem solicitar maiores informações e sua inscrição ao Setor de Voluntários da Junta de Missões Mundiais da CBB através do email: voluntarios@jmm.org.br ou ligar na Central de Relacionamentos da Junta: 0800-709-1900.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …