Pular para o conteúdo principal

Haiti entre altos e baixos

FIFA.com
(FIFA.com) Quinta-feira 18 de outubro de 2012


© AFP

O Haiti deu adeus, recentemente, às chances de classificação para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, mas as feridas parecem ter cicatrizado rapidamente. Refeita do tombo, a seleção do país deu um salto no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola e agora só pensa em ser campeã caribenha pela segunda vez na história, após a conquista inédita de 2007.

Com um passado conturbado e um presente repleto de desafios, o Haiti pode se orgulhar de ter sido a segunda nação caribenha a disputar uma Copa do Mundo da FIFA. Liderados pelo veloz atacante Manno Sanon, os haitianos terminaram à frente do poderoso México nas eliminatórias de 1974, conquistando uma vaga entre as 16 seleções que foram à Alemanha Ocidental. Embora eles tenham perdido todos os jogos, a simples participação no Mundial foi um sinal claro de que o futebol estava crescendo nos quatro cantos do planeta.

A bela história do Haiti no mundo da bola contrasta com as dificuldades que o país vem atravessando nos últimos anos. A sede da federação, localizada na capital Porto Príncipe, foi destruída pelo terremoto de 2010, que matou centenas de milhares de pessoas, entre eles muitos membros da família futebolística nacional.

O sucesso nas eliminatórias para o Brasil 2014 poderia ter devolvido um pouco da alegria aos haitianos, mas a seleção ficou pelo caminho já na primeira fase de grupos da zona da América do Norte, América Central e Caribe, superada por Antígua e Barbuda, equipe emergente do cenário caribenho, com um futuro promissor pela frente. "Todo mundo na região conhece muito bem a tradição do Haiti, que sempre revelou grandes jogadores e tem um enorme orgulho do passado", disse o técnico de Antígua, o inglês Tom Curtis, ao FIFA.com.

Apesar da eliminação precoce, o Haiti sacudiu a poeira rapidamente e começou a dar a volta por cima nas eliminatórias para a próxima Copa do Caribe, torneio que garante vaga na Copa Ouro 2013. Em 2009, os haitianos foram um dos destaques da competição continental, tendo chegado às quartas de final exibindo um belo futebol.

Na caminhada rumo à Copa do Caribe deste ano, o país passeou na primeira fase de grupos, começando pela goleada por 7 a 0 sobre Saint Martin, um claro aviso aos adversários de que o sonho frustrado do Brasil 2014 já fazia parte do passado. O veterano atacante Jean Philippe Peguero, que defendeu diversos clubes da Europa e dos Estados Unidos e está à procura de uma nova equipe no momento, foi o grande nome da partida, com três gols marcados.

No jogo seguinte, o Haiti deu sequência à boa estreia com uma vitória por 3 a 1 contra as Ilhas Bermudas, em que mais uma vez Peguero balançou as redes, roteiro que se repetiria no triunfo diante de Porto Rico, o qual garantiu ao atacante e aos seus companheiros a primeira posição do grupo, com 100% de aproveitamento.

Os belos resultados conquistados nas eliminatórias para a Copa do Caribe confirmaram o Haiti como a grande seleção do torneio, ao lado de Trinidad e Tobago, outra ex-potência que tampouco poderá estar no Brasil 2014. Além disso, a campanha catapultou o país no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola. O salto de 17 posições registrado na última edição da hierarquia global levou os haitianos para o quinto lugar na lista da América do Norte, América Central e Caribe, logo atrás da Jamaica e à frente de forças tradicionais, como Costa Rica e Honduras.

No ranking geral, o Haiti ocupa agora a 60ª colocação, na cola de Escócia, Bulgária e Polônia. Tudo isso deixa claro que a seleção do técnico cubano Israel Blake Cantero está em alta novamente, como confirmou Jean Marc Alexandre, um dos astros da equipe nacional e do San Jose Earthquakes na Major League Soccer.

"Não há dúvidas de que progredimos", disse Alexandre, que joga na seleção desde 2008. "O treinador implementou uma filosofia ofensiva que foi completamente assimilada pelos jogadores. Ele sabe transmitir a mensagem de maneira clara, e o seu sistema de jogo se encaixa nas nossas características. Se todo mundo está jogando tudo o que sabe na seleção, o mérito é dele."

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …