Pular para o conteúdo principal

Taioba: uma verdura rica em nutrientes e comum no Haiti!

Agrosoft Brasil :: O que aconteceu com a taioba?



Ela é rústica, bonita, saborosa, de boa versatilidade gastronômica, muito bem adaptada ao clima tropical, mas, infelizmente está hoje fora do circuito comercial do País. Essa é a taioba, uma hortaliça com folhas parecidas com a couve, porém bem mais altas e largas e que no passado fez parte da dieta do brasileiro. Junto com a couve e o quiabo, era item quase diário nas refeições durante o período colonial. Não que ela tenha sumido completamente das receitas. No entanto, são muito raras as hortas que cultivam esta verdura, possivelmente por desconhecimento de suas possibilidades culinárias e de seu poder enquanto alimento.
No Brasil, uma das iniciativas que tenta integrar a taioba - e outras plantas comestíveis consideradas não convencionais - ao cultivo comercial em estímulo à agricultura familiar é desenvolvida pelaEmbrapa Hortaliças, em Gama (DF). Além de se dedicar ao estudo e disseminação de seu cultivo, o engenheiro agrônomo e pesquisador da unidade, Nuno Rodrigo Madeira, é fã de carteirinha. "Tenho 50 pés na minha casa; preparo e como pelo menos duas vezes por semana no verão",admite.

De nome científico Xanthosoma sagittifolium, a taioba é considerada detentora de alta concentração de nutrientes e alimento adequado para crianças, atletas e idosos. Pesquisas feitas com a hortaliça ao longo das últimas décadas detectaram em suas folhas grande concentração de vitamina A (superior a brócolis, cenoura ou espinafre) além de vitamina C, ferro, potássio e manganês. Uma planta que é um verdadeiro coquetel vitamínico e que cresce facilmente em qualquer quintal.

A hortaliça se desenvolve com facilidade em climas quentes e úmidos, típicos de áreas tropicais, em temperaturas médias entre 25 e 35 graus. O solo deve ser bem drenado e preferencialmente indica-se o plantio em área de boa incidência de luz natural.

Apesar de pouco conhecida no Brasil, a taioba ainda conta com algumas ilhas de consumo no País, "Tem certa demanda nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e, sobretudo, em Minas Gerais", afirma o pesquisador.

Nas pequenas cidades do Sul de Minas e Zona da Mata, são comuns cenas de pequenos agricultores carregando enormes maços de folhas de taioba em garupas de bicicletas para vender em feirinhas ou de porta em porta. Nos quintais de terra com boa drenagem e rica em matéria orgânica, a taioba geralmente se multiplica e é colhida minutos antes das refeições, uma vez que seu preparo mais comum -- folhas rasgadas e refogadas -- é bem rápido. Um dos pratos mais populares do dia-a-dia da cozinha mineira é a taioba com angu e linguiça.

Por outro lado, a grande maioria dos agricultores familiares brasileiros desconhece essas e outras hortaliças e acabam desprezando o que lhe poderia dar renda ou servir como alimento. "Já estive em regiões e vi horticultores, em dificuldades até para garantir seu próprio alimento, capinando e jogando fora almeirão, serralha, taioba e reclamando que o mato estava invadindo a horta", conta Madeira.

Enquanto isso, em outros países, o consumo é bem mais sólido. No mês de julho, Nuno Madeira esteve no Haiti e conferiu isso de perto: eu comi rizoma de taioba que lá eles chamam de malangá e também um bolinho feito com base na hortaliça que eles batizaram de acra". Além das folhas e dos rizomas, o pecíolo (haste que liga a raiz à folha) também é comestível. "Empanado e frito fica uma delícia",admite Madeira.

Cuidados

Um dos gargalos que dificulta a abertura de mercado para a taioba está na pós-colheita. "As folhas devem ser constantemente umidificadas, pois a tendência é que murchem rapidamente. Por isso, invariavelmente essa hortaliça tem de ser comercializada no mesmo dia", explica.

No entanto, nada preocupa mais o consumidor e o horticultor do que identificar corretamente a taioba comestível da taioba selvagem, considerada venenosa. O pesquisador da Embrapa adianta que as variedades impróprias para o consumo se encontram mais concentradas na Amazônia e que as plantas no Sudeste dificilmente são prejudiciais.

No entanto, ele dá algumas dicas para distinguir cada uma delas. "O primeiro passo é ter um histórico de procedência da planta ou da muda. Em seguida devem-se observar as seguintes características: se houver um ponto roxo onde o pecíolo encontra a folha, a tendência é ser selvagem; quando houver uma nervura perimetral, dando volta completa na borda da folha, geralmente é comestível; quando o "V" da forma de coração, que consideramos como a reentrância da folha, atingir o pecíolo, em 90% dos caos é comestível", orienta.

Para o horticultor que quer cultivar a taioba, Madeira ressalta alguns cuidados necessários: "primeiramente o ideal é comercializá-la no mesmo dia; a colheita deve ser feita sempre à sombra, de preferência bem no início da manhã; até a venda, as folhas devem permanecer umidificadas e em ambiente fresco".

Para quem não conhece as qualidades gastronômicas da taioba ou qualquer referência a ela, o pesquisador da Embrapa garante: "sou suspeito para falar, mas em comparação com a couve, por exemplo, o sabor é maravilhoso".

O produtor que se interessar por mais detalhes sobre a taioba pode manter contato com a Embrapa Hortaliças, em Gama (DF), pelo telefone (61) 3385-9000 ou conhecer mais da unidade de pesquisa pela internet: www.cnph.embrapa.br.

Alta concentração de nutrientes

Para cada 100 gramas de taioba, encontramos:

Energia (Kcal) - 34
Carboidrato - 5,4 g
Proteina - 2,9 g
Lipídios - 0,9 g
Fibras - 4,5 g
Cálcio - 142 mg
Magnésio - 38 mg
Fósforo - 53 mg
Ferro - 1,9 mg
Sódio - 1 mg
Potássio - 290 mg
Zinco - 0,6 mg
Vitamina B2 - 0,10 mg
Vitamina B6 - 0,10 mg
Vitamina C - 17,9 mg

As informações acima são do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Alimentação (NEPA) da Universidade Estadual de Campinas(Unicamp).

FONTE

Ariosto Mesquita - Jornalista
E-mail: ariostomesquita@globo.com
Links referenciadosNúcleo de Estudos e Pesquisa em Alimentação
www.unicamp.br/nepa

Universidade Estadual de Campinas
www.unicamp.br

ariostomesquita@globo.com
ariostomesquita@globo.com

Nuno Rodrigo Madeira
lattes.cnpq.br/1382256855803640

Embrapa Hortaliças
www.cnph.embrapa.br

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …