Pular para o conteúdo principal

Alstom assina dois contratos para hidrelétricas no Haiti e no Equador

Monitor Mercantil

A Alstom fechou dois contratos na América Latina, no valor total de quase 60 milhões de euros para a reforma de uma usina hidrelétrica no Haiti e o desenvolvimento de uma nova planta no Equador. No Haiti, o contrato de 35 milhões de euros foi assinado com a fornecedora federal de eletricidade EDH e inclui uma revisão geral das três unidades (18MW cada) da usina hidrelétrica de Péligre, com uma produção de 54 MW.

Péligre atualmente opera a menos de um terço de sua capacidade total, com duas unidades fora de serviço e uma em operação parcial. Após a reforma, as unidades terão maior eficiência e confiabilidade, e estarão adaptadas às instabilidades da rede elétrica do Haiti.

A Alstom realizará a restauração total dos equipamentos eletromecânicos e hidromecânicos da usina, incluindo um novo design hidráulico para cada turbina com uma revisão das peças embutidas atuais, novos sistemas de resfriamento e drenagem, e recondicionamento das comportas da represa. Um novo sistema Smartcontrol SX irá garantir a automação da usina. O projeto inclui balanceamento de planta e algumas obras civis. A estimativa é de que ele tenha início dentro de um mês, e a última unidade modernizada deverá entrar em operação em 2015.

Localizada no Rio Artibonite, a 70 quilômetros da capital Port-au-Prince, Péligre é a principal fonte de eletricidade do país, fornecendo irrigação e proteção contra enchentes para a agricultura local. Por essa razão, a reabilitação será realizada sem a drenagem do reservatório.

- A energia é uma necessidade essencial para reconstruir o país e melhorar as condições de vida. A Alstom tem orgulho de trabalhar em parceria com a EDH em um projeto com tantas implicações positivas para a população e a indústria do Haiti - comentou Jérôme Pécresse, Presidente mundial do setor Renewable Power da Alstom.

No Equador, a Alstom, como parte de um consórcio, irá fornecer 2 turbinas Kaplan de 30 MW cada, geradores e o sistema de controle para a usina Manduriacu, no Rio Guayllabamba. A participação da Alstom é de cerca de 25 milhões de euros. O consórcio também será responsável por equipamentos hidromecânicos e balanceamento de planta.

A operação comercial da primeira unidade começará no fim de 2014. A usina terá duas unidades e os equipamentos serão produzidos em Taubaté, uma das maiores unidades da

Alstom Hydro no mundo.

O market share da Alstom na área de produção de energia no Equador é de cerca de 20%. A empresa já fabricou equipamentos para outros importantes projetos hidrelétricos no país, como Molino (1075 MW), Pucara (70 MW), San Francisco (240 MW), Mazar (2 x 85 MW) e Ocana (2 x 13 MW - a ser comissionado). As principais referências da Alstom no país são Esmeraldas (130 MW) e Trinitaria (130 MW), usinas de energia movidas a óleo.

- A América Latina representa um grande oportunidade de crescimento. A Alstom está investindo na região para garantir mais negócios e, assim, contribuir para o desenvolvimento da infra-estrutura -, afirmou Marcos Costa, vice-presidente dos setores Renewable Power e Thermal Power da Alstom na América Latina.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …