Pular para o conteúdo principal

Programa apoiado pela Prefeitura chama atenção da Cruz Vermelha Americana

Jornal Correio do Brasil

O Programa Eco Cidadão, apoiado pela Prefeitura de Macaé, acaba de receber convite da Cruz Vermelha Americanapara implementar seu padrão de trabalho em comunidades de Porto Príncipe, capital do Haiti.

Segundo a coordenadora do Programa, Marielza Horta, o trabalho seria embasado na educação para a sustentabilidade, mobilidade social, cultura de paz e direitos humanos.

- Fizeram o convite baseados nos resultados altamente positivos e em todas as metodologias realizadas em Macaé, pois o programa mobiliza as pessoas mais excluídas e as residentes em áreas de alta vulnerabilidade social.

Além do apoio da Prefeitura de Macaé, o trabalho é realizado em parceria com instituições estrangeiras. “Posso citar organizações que, permanentemente, cooperam com o Eco Cidadão, como a Purac Sínteses, Habitat ONU, Universidade Aberta do Porto (Portugal), Borria Macaé, Fundação Ruaf, da Holanda, PES do Peru, IDRC (Canadá), enumerou a coordenadora. Ela ressaltou a importância do convite.

- O convite é muito importante para a trajetória do Eco Cidadão, principalmente por reafirmar nossa missão de disseminar as práticas e valores do Programa, capaz de contribuir para a coesão social em várias regiões do mundo, onde for adotado.

Numa visão geral, a coordenadora apontou respostas significativas ao trabalho, sucesso que considera o verdadeiro motivo do convite da Cruz Vermelha Americana para atuar em Porto Príncipe.

- Com o trabalho do Eco Cidadão, o público-alvo passou a cuidar mais do ambiente em que vive, passando da visão utilitarista, de apenas usufruir do que existe na natureza, para uma outra de suprimento e cuidados com o meio. Ela se deteve em analisar as mudanças de comportamento de relevantes grupos, formadores do público – alvo.

- As crianças do ensino fundamental, envolvidas pelo Programa, têm apresentado resultados altamente positivos. Um dos pontos a ressaltar são as grandes mudanças na alimentação desse grupo, que se torna cada vez mais natural, portanto mais saudável, com o plantio de árvores frutíferas, verduras, hortas, até mesmo nos menores espaços disponíveis em suas casas.

Mudanças Sociais – Segundo Marielza, as relações de convivência interpessoais em áreas de risco social apresentam grandes transformações por estarem baseadas numa cultura de paz. Entre os jovens, cultiva-se o incentivo à participação cidadã, antagônica à alienação, pela compreensão da realidade que vivem , pelo reconhecimento do seu papel na sociedade e a importância da preservação ambiental.

Assentados – Esta parcela do público –alvo do programa passou a à prática da agricultura orgânica – plantio sem agrotóxicos – e desenvolveu a consciência do respeito aos ciclos naturais; exercita o combate às práticas poluentes e predatórias; apresenta melhorias nas relações de vizinhança; praticam o respeito aos animais.

Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS) – Os atendidos no Centro participam com muito interesse das oficinas de agricultura urbana e buscam melhorias das suas condições de vida e, hoje, entendem a estreita relação entre saúde, bem-estar e preservação ambiental, além das mudanças de hábitos alimentares. Aprenderam a discutir seus direitos, a lutar contra a discriminação e em favor da recuperação de limitações.

Postagens mais visitadas deste blog

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …

Lição de casa: plantar uma árvore!

BIDAmérica

Crianças de escola lideram uma iniciativa de reflorestamento numa aldeia de montanha no Haiti
Peter Bate
No Haiti, um país quase totalmente destituído de árvores, as crianças que freqüentam as escolas da comunidade de Saint Paul de Furcy estão fazendo mais do que sua parte habitual para combater os efeitos de uma história de desmatamento.

Numa tarde de verão, dezenas de alunos desceram por um caminho íngreme na montanha equilibrando pequenos cestos trançados na cabeça. Dentro de cada cesto havia uma muda cultivada num dos três viveiros de plantas mantidos por escolas locais. As crianças, com idade entre 5 e 12 anos, estavam a caminho de uma ravina próxima para plantar cedros, grevíleas e outras árvores perenes que ajudam a fixar o solo. Depois de firmar raízes, as árvores podem contribuir para estabilizar encostas e impedir deslizamentos como o que deixou uma enorme cicatriz de rocha nua e terra vermelha na montanha, bem em frente a um dos viveiros.

Centenas de crianças partic…