Pular para o conteúdo principal

Missionário da terra haitiano em promoção no Brasil

JMM - Missões Mundiais
Por Willy Rangel 30 de março de 2012
 
Está no Brasil para um período de promoção o Pr. Esaïe Granvil, missionário da terra no Haiti. Granvil viajou ao país a convite de Missões Mundiais para compartilhar com os irmãos brasileiros a situação do Evangelho em sua terra natal.

O missionário falou também sobre como Missões Mundiais colabora para o desenvolvimento do trabalho batista no país em uma entrevista exclusiva.

Como Missões Mundiais ajuda o trabalho missionário no Haiti?

O Haiti é um país pobre, e os líderes precisam de formação. A Conexão Batista Haitiana (convenção batista do país) forma esses líderes, mas não temos condições financeiras suficientes, por isso Missões Mundiais patrocina alguns desses líderes locais. Trabalhamos em parceria.
Sendo representante dos batistas haitianos, como avalia o avanço do trabalho missionário no país?

É preciso dizer que é possível perceber uma mudança em relação ao Evangelho no Haiti. O país tem 10 departamentos (estados), e a convenção está presente em sete departamentos.
Na época do terremoto no Haiti, em 2010, houve relatos de que várias igrejas foram destruídas. Como está caminhando a reconstrução dessas igrejas pelo país?
Depois do terremoto, o mundo inteiro foi em socorro do Haiti. Várias igrejas estrangeiras, inclusive brasileiras, enviaram ajuda, e muitas igrejas foram reerguidas. Os brasileiros ajudaram a reconstruir cinco igrejas, como as de Croix-des-Bouquets e Petit-Goâve.

Postagens mais visitadas deste blog

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …

Lição de casa: plantar uma árvore!

BIDAmérica

Crianças de escola lideram uma iniciativa de reflorestamento numa aldeia de montanha no Haiti
Peter Bate
No Haiti, um país quase totalmente destituído de árvores, as crianças que freqüentam as escolas da comunidade de Saint Paul de Furcy estão fazendo mais do que sua parte habitual para combater os efeitos de uma história de desmatamento.

Numa tarde de verão, dezenas de alunos desceram por um caminho íngreme na montanha equilibrando pequenos cestos trançados na cabeça. Dentro de cada cesto havia uma muda cultivada num dos três viveiros de plantas mantidos por escolas locais. As crianças, com idade entre 5 e 12 anos, estavam a caminho de uma ravina próxima para plantar cedros, grevíleas e outras árvores perenes que ajudam a fixar o solo. Depois de firmar raízes, as árvores podem contribuir para estabilizar encostas e impedir deslizamentos como o que deixou uma enorme cicatriz de rocha nua e terra vermelha na montanha, bem em frente a um dos viveiros.

Centenas de crianças partic…