Pular para o conteúdo principal

Filtros e banheiros ecológicos são soluções inovadoras apresentadas no Fórum Mundial da Água

15/03/2012 - Ciência e Saúde - AFP


Ana María Echeverría
Em Marselha


Desde um simples filtro de água até um banheiro ecológico chamado de Peepoo, o Fórum Mundial da Água apresenta dezenas de soluções fáceis e inovadoras que podem mudar a vida de milhares pessoas que ainda sofrem com a falta de água potável e de um sistema sanitário decente.

No canto de um casebre escuro de um bairro marginal que poderia estar no Rio de Janeiro, no México ou em Mumbai, mas que foi levantado no Fórum Mundial da Água de Marselha (sul da França), encontra-se um pequeno sanitário descartável que está mudando a vida de uma favela na África.

Batizado de Peepoo, o banheiro, que não precisa de água, foi desenhado por um arquiteto sueco, Anders Wilhemson, que teve a ideia de percorrer os bairros pobres de México e São Paulo, onde as pessoas fazem suas necessidades em latrinas ou no esgoto e a situação sanitária é grave.

O Peepoo é composto de um pequeno assento plástico e de uma sacola plástica biodegradável que contém em seu interior grânulos de ureia, um produto que decompõe a matéria fecal e a urina e as transforma em nutrientes.

Uma vez utilizado, o dispositivo, que foi criado pela pequena empresa sueca Peepoople AB, pode ser transformado em uma fonte de adubo, o que também ajuda a aliviar a crescente pressão sobre a água na agricultura, provocada pelo galopante aumento da população mundial.

A bolsa biodegradável, que custa cerca de três centavos de dólar, já transformou, ao menos em alguns aspectos, a vida diária dos habitantes de Kibela, um bairro marginal de Nairóbi, Quênia, que a utilizam há um ano.

"Antes os habitantes desta favela faziam suas necessidades em qualquer lugar, entre os arbustos, perto dos casebres ou em uma bolsa que, quando não aguentavam mais o mau cheiro, jogavam fora", explicou Camilla Wirseen, diretora do projeto, um dos 50 apresentados no Fórum.

Agora já não há mais cheiro ruim e os riscos de epidemia de diarreia caíram, destacou.

Neste bairro, as bolsas utilizadas são recolhidas em grandes sacolas e utilizadas depois como fertilizantes para a agricultura. Por cada bolsa que serve de fertilizante, a família recebe um centavo.

Além disso, foi organizada no bairro uma rede de vendedoras locais das bolsas biodegradáveis, e essas mulheres criaram posteriormente microempresas, que prosperam.

O dispositivo será testado no Haiti, devastado em 2010 por um terremoto. E seu criador, que quer ampliar o uso do banheiro ecológico por todo o mundo, manteve contado com vários países, entre eles Bolívia, Paquistão e Bangladesh.

Outro dos 60 projetos apresentados na "Aleia das Soluções", situada no coração do Fórum Mundial da Água de Marselha, que será concluído no sábado, é uma vasilha de cerâmica para filtrar a água, de muito baixo custo, que se baseia em práticas pré-coloniais da Mesoamérica, que foram melhoradas pelo guatemalteco Fernando Mazariego.

Chamada de "Filtrón", esta vasilha, que tem em seu coração um elemento filtrador que pode ser fabricado por ceramistas locais com materiais locais, sem necessidade de eletricidade, nem de tecnologias de alto nível, torna potável a água contaminada.

Graças a um banho de prata coloidal em seu elemento filtrante, o Filtrón elimina as bactérias, o que reduz as doenças.

Este projeto é apresentado no Fórum de Marselha por Ceramistas pela Paz, uma organização não governamental que capacita artesãos dos países em desenvolvimento, e que elaborou um processo de produção do filtro em grande escala, diminuindo seu custo.

O Filtrón, que custa entre 10 e 20 dólares, pode ajudar a facilitar o acesso à água potável, num momento em que mais de 800 milhões de pessoas no mundo não têm acesso a ela.

A ONG indicou que havia, por isso, tomado "a decisão política" de não patentear sua tecnologia, que pode ser encontrada na internet, no site da Rede de Ceramistas pela Paz.

Postagens mais visitadas deste blog

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …

Lição de casa: plantar uma árvore!

BIDAmérica

Crianças de escola lideram uma iniciativa de reflorestamento numa aldeia de montanha no Haiti
Peter Bate
No Haiti, um país quase totalmente destituído de árvores, as crianças que freqüentam as escolas da comunidade de Saint Paul de Furcy estão fazendo mais do que sua parte habitual para combater os efeitos de uma história de desmatamento.

Numa tarde de verão, dezenas de alunos desceram por um caminho íngreme na montanha equilibrando pequenos cestos trançados na cabeça. Dentro de cada cesto havia uma muda cultivada num dos três viveiros de plantas mantidos por escolas locais. As crianças, com idade entre 5 e 12 anos, estavam a caminho de uma ravina próxima para plantar cedros, grevíleas e outras árvores perenes que ajudam a fixar o solo. Depois de firmar raízes, as árvores podem contribuir para estabilizar encostas e impedir deslizamentos como o que deixou uma enorme cicatriz de rocha nua e terra vermelha na montanha, bem em frente a um dos viveiros.

Centenas de crianças partic…