Pular para o conteúdo principal

Jovens camponeses retornam ao Haiti depois de um ano de intercâmbio promovido pela Via Campesina

Jornal Correio do Brasil

9/9/2011 15:42, Por Adital

Como resultado das ações da Via Campesina, no Brasil, em apoio e solidariedade ao Haiti, um grupo de 76 jovens camponeses haitianos deve retornar ao seu país de origem na próxima quarta-feira (14) deste mês, com mais conhecimento e prática na área rural. Isso foi possível por conta de um intercâmbio iniciado há um ano, onde os (as) participantes puderam ter acesso a técnicas de agroecologia, informações sobre estrutura de cooperativas, funcionamento de acampamentos e assentamentos, entre outros.

Os estudantes deste intercâmbio são militantes de movimentos sociais do Haiti, oriundos dos dez departamentos que compõem o país. Ao todo são 54 homens e 22 mulheres que foram selecionados para esta iniciativa.

No primeiro mês, os (as) jovens tiveram aulas na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), localizada no município de Guararema, interior do estado de São Paulo.

Integrante da equipe pedagógica responsável pelo intercâmbio, Geani Paula de Souza explica que, durante o primeiro momento na ENFF, os (as) militantes puderam se familiarizar com a língua portuguesa e tiveram contato com movimentos camponeses do Brasil e de outros países da América Latina.

Depois disso, foram divididos em oito estados brasileiros – Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Espírito Santo, Bahia, Sergipe e Pernambuco. Essa etapa durou cinco meses e possibilitou aos jovens conhecer acampamentos, assentamentos agrícolas, cooperativas rurais e técnicas de Agroecologia.

“A ideia era conhecer o funcionamento das cooperativas, como se constituem, como os trabalhadores se organizam, assim como conhecer a luta nos acampamentos, as estratégias do Movimento, e organização nos assentamentos. Assim eles poderão voltar ao Haiti e se guiar por esses métodos para fortalecer sua organização lá”, detalhou.

Já a última etapa do intercâmbio consistiu em um curso técnico em Agroecologia, no qual o grupo foi dividido em dois, com base nos estados de Paraná e Sergipe. “Eles aprenderam como lidar com a terra, e com o meio ambiente, que foi uma questão que apontaram como muito precária no Haiti, e também como lidar com a água e a conservação de fontes”, disse.

No fechamento deste ciclo de um ano, Geani destaca que os jovens e a Via Campesina fazem uma avaliação bastante positiva sobre o período. “Houve muita aprendizagem, solidariedade. Para a gente isso é muito importante porque mostra que o Haiti não é só o que a Globo apresenta, só destruição. Mostra, para quem acredita que o Haiti não tem nada, que lá tem muita coisa interessante sim. Tem pessoas que lutam por um país melhor”, destacou.

Outras experiências

O intercâmbio de jovens haitianos começou a ser gestado a partir da experiência da Brigada Internacionalista da Via Campesina, no Haiti, desde 2008.

Com o terremoto que devastou o país em janeiro de 2010, a Via Campesina decidiu realizar o intercâmbio com jovens haitianos, no marco de suas ações de apoio técnico e político, ao passo que reforçou a brigada no Haiti, enviando mais 34 pessoas.

De acordo com Geani, o primeiro grupo de haitianos deveria ter 150 pessoas, mas o alto custo inviabilizou o número. Contudo, a ideia do movimento é dar continuidade a ação e, possivelmente, um novo grupo de 30 jovens militantes haitianos chegará ao Brasil no início de 2012.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …