Pular para o conteúdo principal

Ensino técnico deve combater apagão de emprego no Haiti

Brasil Econômico

Bárbara Ladeia (bladeia@brasileconomico.com.br)
23/09/11 15:30



A falta de capital para investimentos é apenas o primeiro desafio para o Haiti. Com 80% da população abaixo da linha da pobreza, a taxa de desemprego do país chega a 40,6%.

Cerca de 60,1% da população se encontra na faixa entre 15 e 64 anos. Outros 35,9% são compostos por crianças até os 14 anos.

Jean Garry, haitiano pesquisador do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais, entende que, ao mesmo tempo em que a população jovem demais é um problema atual, configura-se como um grande potencial de força de trabalho.

"Nossa população é a maior fonte de riquezas", explica.

A principal preocupação é a falta de formação técnica dessa massa que busca um posicionamento no pequeno mercado de trabalho do país.

"Temos uma população muito jovem. Faz-se necessário a criação de escolas técnicas para explorar todo esse potencial", sinaliza Olivier Barrau, presidente da Alternativa Insurance Company (AIC).

O Haiti pretende contar com a ajuda do Brasil na construção desse ensino técnico, aproveitando a experiência nacional no setor. O Senai do Rio Grande de Sul deve iniciar as atividades de um convênio em 2013.

Na última semana de agosto, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, esteve no país em visita oficial.

Além da visita ao presidente Michel Martelly, quando foram discutidos diversos convênios, Skaf esteve com empresários haitianos do setor têxtil e de calçados.

No entanto, nenhum convênio empresarial foi assinado. A preocupação maior do presidente da Fiesp é a necessidade de estabilização política no país.

Postagens mais visitadas deste blog

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …

2015: ano de eleições e...

Porto Príncipe, Haiti - 12 de fevereiro de 2015. Por André Souto Bahia - Missionário no Haiti
GREVE GERAL NO HAITI: MANIFESTAÇÕES E PARALISAÇÃO TOTAL.

Pela segunda semana consecutiva em Porto Príncipe e alguns outros grandes centros do País, houve um grande movimento de Greve Geral promovido pela Plateforme Nationale des Syndicats de Transports Fidèles (PNSTF – Plataforma Nacional dos Sindicatos de Transportes Associados), paralisando não apenas todos os meios de transporte como também escolas, órgãos do governo, bancos e comércios. Entre os dias 2, 3, 9 e 10 vivenciamos dias como nunca vistos desde nossa chegada em Abril 2012. Mesmo aos domingos, quando a quantidade de carros e pedestres nas principais avenidas é bastante reduzida, nesses quatro dias da Greve o movimento foi ainda menor. A organização do movimento alega que o valor da redução dos preços dos combustíveis não é suficiente, e exige que o Governo reduza em HTG 100,00/galão (cem gourdes por galão é o equivalente a cerca d…