Pular para o conteúdo principal

A luta por um primeiro-ministro

Envolverde
'via Blog this'

por Wadner Pierre, da IPS

415 A luta por um primeiro ministroPorto Príncipe, Haiti, 26/8/2011 – Nos três meses em que ocupa o cargo de presidente do Haiti, Michel J. Martelly já fracassou duas vezes na indicação do primeiro-ministro. O parlamento rejeitou Bernard Gousse, por seu passado como funcionário da ditadura de Gérard Latortue, e o empresário Daniel Rouzier. Gousse recebeu o voto negativo de 16 senadores, devido aos seus péssimos antecedentes em matéria de direitos humanos quando foi ministro da Justiça de Latortue (2004-2006), e Rouzier foi rejeitado pela câmara baixa por questões técnicas. Enquanto Gousse foi ministro, as prisões ficaram lotadas de presos políticos, a maioria de bairros pobres onde o deposto presidente Jean-Bertrand Aristide tinha muitos adeptos.

O país não tem primeiro-ministro que realize o programa do novo presidente. Um capítulo é o ensino primário gratuito para meninos e meninas, que a população espera que seja implantado a partir de setembro, quando as escolas reabrirem. Martelly deve conseguir que o parlamento aprove um primeiro-ministro, um grande desafio por não ter maioria própria. A Constituição prevê para estes casos que o chefe de Estado consulte os presidentes das duas câmaras. Alguns analistas responsabilizam pela situação o chefe do Estado Maior, Thierry Mayard Paul, e outros apontam os assessores de Martelly.

Os parlamentares precisaram recordar várias vezes ao presidente que ele foi eleito em março por apenas 700 mil votos, de um total de 4,5 milhões de eleitores aptos a votar. “Precisamos de um primeiro-ministro que possa reconciliar a nação. Não nos deteremos até que haja um novo primeiro-ministro”, disse Georges Sassine. A iniciativa é parecida com uma lançada por Aristide durante seu segundo mandato (2000-2004), chamada Caravane Espoire (caravana esperança), que acabou em golpe de Estado.

Alguns partidários de Martelly lhe pediram para dissolver o parlamento. Mas a questão que apresenta a atual situação é o quanto é verdadeiro o objetivo da Operasyon Gran moun Pa Jwe. Entre os assessores de Martelly está Nicolas Duvalier, de 29 anos, filho do ex-ditador Jean Claude Duvalier que regressou há pouco tempo ao país onde enfrenta acusações penais. Aristide também recebeu ameaças que, segundo os comentários, foram financiadas com US$ 11 milhões destinados pelo governo francês ao Ministério da Justiça do Haiti. Gousse teria realizado o projeto com entusiasmo. O governo de Marterlly tirou o automóvel de Aristide, mas o devolveu após protesto de seus partidários.

O senador Moïse Jean Charle, um dos partidários de Aristide do grupo de 16 senadores, criticou o comportamento do presidente de tentar impor um primeiro-ministro de sua preferência. Charle foi eleito prefeito de Commune Milot e esteve entre os que se opuseram ao golpe de Estado de 2004 no norte do país. As pessoas se perguntam sobre o rumo que Martelly quer dar ao país e cada vez mais se perguntam se não se trata de um títere de seu chefe do Estado Maior. “Thierry é a mão direita de Martelly e influi no processo de decisão do presidente, mas não pode ser o próximo primeiro-ministro. Não conseguirá”, disse uma pessoa próxima a Paul.

A divisão dentro da equipe de Martelly piorou sua situação. A apresentadora de rádio Nancy Rock afirmou, no dia 6, que alguém da equipe do presidente havia prejudicado a opção do mandatário, tendo Gousse como convidado. “Essa pessoa também trabalhou contra Rouzier e Gousse”, acrescentou. “Eles reconheceram que havia divisões entre os partidários do presidente e que obedeciam a interesses econômicos, não a um problema de cor ou de pobres e ricos, como muitos podem pensar”, afirmou. Rock recomendou a Martelly dar os passos necessários para se desfazer dessa pessoa. “O presidente deve se livrar desse homem. Não vou dar nomes, mas as pessoas sabem de quem se trata”, afirmou.

No entanto, Martelly parece incapaz de unir sua gente para escolher o primeiro-ministro. “Foram mencionados nomes de dois assessores presidenciais, Daniel Supplice e Wilson Laleau”, disse o senador Edwin Zenny. A Agência Haitiana de Imprensa informou no dia 17 que o nome do chefe do Estado Maior de Martelly estava na mesa. O grupo de 16 senadores teria se reunido dois dias depois para planejar uma estratégia caso o presidente designe de forma unilateral outra controvertida pessoa para o cargo de primeiro-ministro.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …