Pular para o conteúdo principal

HAITI e FUTEBOL: futebol salvou desalojados antes de os expulsar

Milhares de pessoas ocuparam os estádios após o terremoto

Por Vítor Hugo Alvarenga2011-04-28 17:19hEstádio ocupado no Haiti
Quando a terra tremeu, as principais estruturas do país cederam. Milhares de sobreviventes correram para terreno aberto. O futebol abriu-lhes a porta. Meses depois, teve de os expulsar.

O Estádio Sylvio Cator,o principal do país, serviu de refúgio nos meses que se seguiram ao terramoto. No relvado, nos balneários, nas bancadas, à volta delas, em todo o lado surgiram tendas, locais relativamente seguros para acolher o povo.

«Sobre as famílias que ocupavam o estádio, já foi dita muita coisa, mas ninguém sabe ao certo. Existem ONG sérias que estão a construir pré-fabricados e a transferir a população para cidades próximas, mas a grande maioria está a fugir do país clandestinamente», desabafa o actual seleccionador, o brasileiro Edson Tavares, ao Maisfutebol.

Aconteceu o mesmo por todo o lado. Os relvados do L'Atlhlétique d'Haiti foram ocupados, o estádio do Aigle Noir AC também. Durante meses, ninguém ousou dizer que o desporto era mais importante que a vida. Agora, procuram recuperar os seus terrenos para seguir em frente.

«Ainda há meses, existiam milhares de pessoas acampadas no estádio nacional. Agora, o estádio está fechado para obras, pois queremos realizar os jogos de qualificação para os Jogos Olímpicos e o Mundial no Haiti. A FIFA está a financiar as obras no estádio e num centro de treinos que não existia antes», resume Edson Tavares.

A sofrer desde Portugal

Jean Sony (Leixões) e Peterson (Vizela, cedido pelo Sp. Braga) são os haitianos do futebol português. O segundo perdeu a sua casa no país de origem. O primeiro teve melhor sorte. Em declarações ao Maisfutebol, Sony fala sobre o momento actual do Haiti.

«Estive no Haiti em Junho do ano passado, nas férias, e ainda havia muita destruição. Felizmente a minha família não sofreu nada porque a nossa casa fica numa zona que não foi afectada. Em termos de recuperação ainda se notava pouca coisa, mas, agora, com o novo presidente, as coisas vão melhorar», espera.

O ala direito do Leixões acredita na recuperação total do Haiti e nas alegrias proporcionadas pelo desporto-rei: «Temos um excelente grupo de trabalho, com vários jogadores que actuam na Europa. Temos feito alguns jogos amigáveis e já mostrámos qualidade»

Edson Tavares, o seleccionador, reforça a esperança. «Em 42 anos de futebol, como jogador e treinador, nunca vi jogadores como tanta qualidade inata como no Haiti. Têm problemas de alimentação mas superam-se. Só precisam de disciplina táctica. Temos o Sony e o Peterson em Portugal, esse só tem 20 anos e ainda vai ser muito falado. O Desmarets (naturalizado) que jogou no V. Guimarães também faz a diferença. Temos 68 jogadores na Europa, dos quais 31 já foram naturalizados. O potencial é enorme», garante.


A música como salvação

Enquanto o futebol recupera a sua pose, o povo do Haiti virou-se para a música. A instabilidade política condicionou sempre a afirmação do país após a independência. As palavras fortes cantadas ao Mundo apresentam-se como solução.

«O futuro do Haiti está nas mãos do povo e dos políticos. Temos de ter consciência de que é preciso trabalhar muito para recuperar o país», avisa Jean Sony.

Michel «Sweet Micky» Martelly é o novo presidente do Haiti, após longo e conturbado processo eleitoral concluído no início de Abril. Um cantor como líder numa ideia desenvolvida pelos Fugees.

The Fugees, popular trio musical dos anos 90, jamais esqueceram as suas raízes. Fugees é apenas um diminutivo de refugiados. Wyclef Jean e Pras Michel, dois deles, saíram do Haiti para encontrar o sucesso nos Estados Unidos. O primeiro apresentou a candidatura à presidência, em Agosto de 2010, sem sucesso. O segundo encontrou a alternativa: Michel Martelly. Que a música os salve.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …