Pular para o conteúdo principal

A grande missão de reconstruir um país


Jesús Sanchis | EFE


19 de Março, 2011
 Os haitianos voltarão às urnas no próximo domingo para eleger o seu novo Presidente, que deverá guiar o Haiti rumo à tão esperada reconstrução, após o devastador terramoto que atingiu o país em Janeiro 2010 e a epidemia de cólera, que teve início em Outubro.
A ex-Primeira-Dama Mirlande Manigat e o cantor Michel Martelly são os dois candidatos que concorrem à sucessão do actual Presidente René Préval, que deixará o poder em Maio.
O vencedor terá o desafio de liderar o processo de reconstrução da nação, que ainda não conseguiu recuperar dos prejuízos sofridos em Janeiro de 2010, quando um terramoto de grau sete na escala de Richter arrasou grande parte da capital, Porto Príncipe, e várias cidades próximas.
Os efeitos do sismo, que deixou mais de 316 mil mortos, 300 mil feridos e 1,5 milhões de desalojados, ainda são perceptíveis quando se percorrem amplas regiões da capital. Mais de um ano após a tragédia, toneladas de escombros ainda estão espalhados pela cidade. Mais de 800 mil pessoas ainda vivem em centenas de acampamentos precários, muitos deles improvisados após o terramoto. Além disso, grande parte da população sofre com a falta de serviços básicos, como o acesso à saúde.
A retirada dos escombros e o regresso dos desalojados aos seus lares são dois dos principais desafios que o novo Presidente haitiano terá pela frente.
Outra grande missão do novo governante será combater a epidemia de cólera que teve início em Outubro e que contaminou cerca de 250 mil pessoas e deixou mais de 4.600 mortos.
A Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), presente no país desde 2004, é acusada por sectores da população de ter desencadeado o surto de cólera, depois de soldados nepaleses terem contaminado um rio com sedimentos fecais. O assunto, no entanto, permanece sob investigação.
Além destes problemas, o novo governante deverá liderar um processo muito mais amplo de reconstrução do país das Caraíbas, que inclui numerosos projectos direccionados para levantar a empobrecida economia e melhorar as infra-estruturas e serviços públicos básicos, como a educação e a saúde.
A comunidade internacional observa com atenção a situação no Haiti e o desfecho do processo eleitoral para saber quem terá o encargo de fazer a gestão da ajuda que deverá ser desembolsada nos próximos anos.
Uma grande parte dessa ajuda é administrada pela Comissão Interina para a Reconstrução do Haiti (CIRH), co-presidida pelo enviado especial da ONU para o Haiti, Bill Clinton, e pelo Primeiro-Ministro, Jean Max Bellerive, que será sucedido por um novo chefe de Governo.
Em Fevereiro, Bellerive calculou em mil milhões de dólares o valor necessário para financiar projectos aprovados pela CIRH para os próximos oito meses.
A escolha de um novo Presidente deverá encerrar a crise eleitoral aberta após a primeira volta das eleições, quando o Conselho Eleitoral Provisório anunciou que Mirlande obteve 31,37 por cento dos votos e o candidato governamental Jude Celestin conseguiu 22,48 por cento.
O anúncio destes resultados, qualificados como fraudulentos pela maioria da oposição, desencadeou violentos protestos que deixaram quatro mortos, o que motivou uma revisão do processo por parte da Organização dos Estados Americanos (OEA).
O organismo interamericano aconselhou a retirada de Celestin da disputa a favor de Martelly, o que foi finalmente aceite pelo conselho eleitoral, que concedeu a Mirlande 31,6 por cento dos votos, ao cantor 22,2 por cento e deixou o candidato governamental, com 21,9, de fora da segunda volta.
Sem experiência política, Martelly apresenta-se como o candidato da mudança e propõe trabalhar pelo relançamento da economia, da agricultura e do emprego. Além disso, entre as suas propostas está a promoção da educação gratuita.
Por sua vez, Mirlande compromete-se a impulsionar a educação e o regresso dos milhares de deslocados aos seus lares.Quatro milhões de eleitores estão convocados para as eleições, nas quais também serão escolhidos sete dos 11 senadores que estavam previstos (os outros quatro obtiveram o seu assento na primeira volta) assim como 79 dos 99 deputados, já que 20 também estão definidos. 

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …