Pular para o conteúdo principal

ONG médica critica atuação do governo na reconstrução do Haiti

Quase um ano após terremoto, Médicos Sem Fronteiras não veem melhoras no país
Paula Resende, do R7
Thony Belizaire/09.01.2011/AFPThony Belizaire/09.01.2011/AFPHaitiano caminha entre as ruínas da catedral em Porto Príncipe, quase um após após terremoto que destruiu o país

Às vésperas do primeiro aniversário do terremoto no Haiti, a resposta à pior tragédia natural dos últimos 200 anos ainda está reduzida a soluções de curto prazo, sem um plano consistente de reconstrução nem o comprometimento do governo local. A análise é da organização humanitária Médico Sem Fronteiras (MSF), que anunciou nesta segunda-feira (10) a continuidade da maior mobilização da história da ONG por mais um ano – sem previsão de saída.

Em uma teleconferência com jornalistas desde o Haiti, o coordenador das atividades do MSF no país, o italiano Stefano Zannini, disse que a situação global no país não melhorou, apesar da ajuda humanitária e financeira sem precedentes.

- Um ano depois do terremoto, era hora das agências humanitárias saírem de cena, ficar em segundo plano e partirem para outros desastres. Mas a realidade é que os haitianos ainda estão fortemente dependentes dos serviços médicos do MSF.

Para exemplificar a carência e falta de liderança no país, Zannini lembrou que, em um ano, nenhum hospital foi construído pelo governo. Enquanto isso, só o MSF abriu cinco novos hospitais e financiou a reforma de outras duas estruturas do Ministério da Saúde, que já existiam em Porto Príncipe.

Do dia do terremoto, em 12 de janeiro de 2010, ao final de outubro do mesmo ano, a organização tratou mais de 358 mil pacientes.

- É incrível perceber a quantidade de pacientes ainda estamos atendendo. Gostaria de ver os haitianos na linha de frente na reconstrução, e nós em segundo plano para ajudá-los. Infelizmente, isso ainda não acontece.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …