Pular para o conteúdo principal

O REPÓRTER NO MUNDO: Ai de ti Haiti

Por Néstor J. Beremblum - 21.11.2010 às 08:26:00



Parece incrível, mas é verdade. O primeiro país no mundo que aboliu a escravidão, em 1794, é hoje a nação mais pobre das Américas.
Por isso a epidemia de cólera na ilha, após o terremoto mais devastador da história, de janeiro, no dia na última segunda-feira (15) havia matado 917 pessoas, e cinco dias depois o número já alcançava 1180. A conta é simples, mais de 50 pessoas morrem por dia a causa da “doença dos pobres” como foi conhecida. Mais um dado é que, segundo a UNICEF, doze por cento das mortes correspondem a crianças de até 5 anos de idade.
Essa é a realidade da ilha de Hispaniola, descoberta por Colombo em dezembro de 1492, e que fora dividida entre Espanha e França alguns anos depois não consegue se erguer como Estado moderno, apesar daquela medida vanguardista de que todos os homens eram livres. Mas essa conquista chegou com muito sacrifício e morte após uma revolta de escravos.
Morte é a palavra que mais se repete na história de Haiti.
Toussaint Loverture foi o primeiro governador-geral, ex-escravo foi assassinado pelos franceses para tirá-lo do cargo em 1801. No ano seguinte, Haiti se declarou independente, o segundo país nas Américas, mas o mundo não gostou e, como forma de retaliação os escravistas europeus e estadunidenses mantiveram o Haiti sob bloqueio comercial por 60 anos.
Para acabar com isso a França republicana, nessa época, deslocou sua frota e cercou a ilha até conseguir um ressarcimento econômico que deixou a ilha submersa na pobreza. França trocava o café, o cacau e o açúcar pelo dinheiro em metálico.
A França, que durante a última semana foi palco de uma comédia de enredos com primeiro-ministro, François Fillon, que “se demitia” e que era chamado novamente para formar governo. E o novo governo não era muito diferente do anterior, apenas umas purgas aqui e outras lá, visando a reeleição de Nicolas Sarkozy que também é o atual presidente pro-têmpore do G-20.
As mortes continuaram na ilha de São Domingos, como os franceses a chamaram, ao longo dos séculos XIX e XX. Vinte presidentes passaram pelo poder. E dezesseis desses foram depostos ou assassinados. Os Estados Unidos da América invadiram o Haiti entre 1915 e 1934, com o objetivo de proteger seus interesses no país. Não era, nem seria aquela, a primeira vez.
Entre 1957 e 1986 a dinastia Duvalier, primeiro o médico, François, e depois o filho, Jean-Claude mantiveram o país sob a política do terror. O Vodu e uma temível guarda pessoal, os “tontons macoutes”, mantinham a ordem que os Estados Unidos apoiavam em silêncio, mesmo ao custo de muita morte e violência contra os direitos humanos.
Já mais perto do fim do século passado, Jean Bertrand Aristide foi eleito presidente em 1990. Como ao longo da história do país, o general Raul Cedras o tirou do governo um ano depois. Estados Unidos e o Conselho de Segurança da ONU decidiram intervir. Sobre tudo pela enorme quantidade de haitianos que tentavam ingressar, clandestina ou legalmente em território norte-americano. A pressão pelo retorno de Aristide foi grande. O Conselho de Segurança da ONU decretou bloqueio total ao país e uma força multinacional, liderada pelos EUA, entrou no Haiti para tentar reempossar Aristide.
O preço de tudo isso, foram mais mortes e mais miséria. Não por terremotos ou doenças como a cólera. O presidente restituído durou 10 anos, e foi retirado do país pelos militares (norte-americanos) que o devolveram ao poder contra sua vontade, após um novo golpe militar.
Foi nessa época que se constituiu a hoje famosa MINUSTAH. A Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti, que assumiu a autoridade exercida Forças Internacionais em 1º de junho de 2004. O efetivo autorizado para o contingente militar é de 6.700 homens, oriundos da: Argentina, Benin, Bolívia, Brasil, Canadá, Chade, Chile, Croácia, França, Jordânia, Nepal, de cujos soldados os haitianos acusam que trouxeram o vírus do cólera ao país, Paraguai, Peru, Portugal, Turquia e Uruguai.
Ao longo dos anos, sua ação foi contestada pelos haitianos por resultar infértil ao combate à miséria. Prometeram-se melhoras para a população, mas a situação não tem mudado como esperavam os haitianos que receberam com esperança ao contingente militar internacional. Precisamente, a MINUSTAH declarou sua incapacidade para conter os protestos desta semana em pleno processo eleitoral
Incapacidade que se reflete na falta de respostas que a comunidade internacional tem com uma população que há 10 meses sofrera um terremoto devastador e ainda mora em acampamentos e em condições mais que precárias. Na mesma ilha, até a vizinha República Dominicana está em alerta pela epidemia após a confirmação do primeiro caso no seu território que fora dividido, em sentença salomônica, entre a Espanha e a França há trezentos anos. 
Mesmo com a intervenção de organizações humanitárias como a francesa "Médicos Sem Fronteiras" (MSF) no país, parece não haver forma de controlar a epidemia se as obras de infraestrutura não acompanham às necessidades de uma população que, não por estar acostumada a enorme repetição ao longo da sua história, não chora suas mortes. 

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …