Pular para o conteúdo principal

JMM Divulga Matéria sobre a Caravana ao Haiti e sua atual situação

Por Marcia Pinheiro 17 de novembro de 2010


Após chorar seus mortos no terremoto ocorrido em janeiro, o Haiti vive um novo drama. O número de mortos pela epidemia de cólera que atinge o país já passa de mil. As autoridades de saúde locais divulgaram nesta terça-feira (16) que a epidemia deixou 1.034 mortos, enquanto o total de hospitalizados é de 16.799. Os obreiros da terra haitianos pedem orações para que aquela nação, considerada a mais miserável das Américas, seja alcançada pela graça do Pai. E que as doações feitas até então, através do Projeto Por Um Novo Haiti, cheguem àqueles que de fato necessitam, sem parar em possíveis burocracias do Estado.

Na capital Porto Príncipe, que foi severamente atingida pelo terremoto de janeiro, 38 mortes foram registradas, a maioria delas na favela de Cite Soleil. Segundo o Ministério da Saúde, a cólera está agora presente em todas as províncias do Haiti. A área mais atingida é a Província de Artibonite, onde pelo menos 629 pessoas morreram. 

Manifestantes atacaram as forças de paz do Nepal, acusando-as de levar o cólera ao Haiti pela primeira vez em um século. Além de reivindicar que as forças de paz deixem o Haiti, eles acusaram o governo de deixar as pessoas morrerem.

A ONU disse não ter encontrado evidências que justifiquem a acusação contra os militares nepaleses, mas o tipo de cólera encontrado é compatível com um do Sul da Ásia. O Exército do Nepal disse que testes provaram que as alegações relacionadas a suas tropas eram falsas.

Doença alastra-se à República Dominicana


A epidemia de cólera já se alastrou ao país vizinho, a República Dominicana. O Ministro da Saúde, Bautista Rojas, anunciou à imprensa a existência de um caso de internação. O paciente, de 32 anos, é haitiano e está internado numa unidade hospitalar da cidade de Higuey, a cerca de 140 quilômetros da capital Santo Domingo. 

As fortes medidas de controle da fronteira para impedir que o contágio pudesse acontecer, infelizmente, não impediram o alastramento do cólera. 

Por Um Novo Haiti

A última caravana de voluntários para o Haiti, organizada por Missões Mundiais, esteve no país de 6 a 17 de outubro realizando atendimentos médicos, odontológicos e fisioterápicos, atividades esportivas, artísticas e educacionais, intercessão, visitação e capelania. Ela contou com 56 integrantes, vindos de diversas partes do Brasil, e esteve sob a liderança do Pr. Marcos Grava, coordenador do Programa Esportivo Missionário e do setor de voluntários da JMM. Segundo ele, esse número de voluntários enviados ao Haiti é recorde na história da igreja evangélica brasileira.

A caravana de voluntários levou na bagagem para o Haiti centenas de doações, como roupas, remédios, material evangelístico e até uma bicicleta, que foram entregues ao Pr. Jonathan Joseph, coordenador dos missionários da terra e obreiro da JMM naquele país.

A Igreja do Senhor Jesus está fazendo a diferença no Haiti. A JMM agradece a todos os crentes brasileiros que se engajam pela transformação, por um novo Haiti.

Aqueles que quiserem apoiar a reconstrução dos templos, na construção de casas, centros de saúde e escolas no Haiti podem entrar em contato com Missões Mundiais pelos telefones 2122-1900 (cidades com DDD 21) e 0800 709 1900 (demais localidades) e adotar o Projeto 'Por um Novo Haiti'.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …