Pular para o conteúdo principal

Embaixador sueco no Haiti confirma que cólera veio do Nepal

Efe 
 
Epidemia de cólera já matou 1.039 e deixou pelo menos 17 mil hospitalizados no Haiti 

As suspeitas de que a epidemia de cólera no Haiti, que já matou mais de 1.000 pessoas, tenha sido começada por um grupo de soldados do Nepal membros da missão de paz da ONU, foi confirmada por um diplomata sueco que acaba de retornar do país caribenho. 

Em entrevista ao jornal sueco Svenska Dagbladet ("Diário Sueco"), o embaixador Claes Hammar declarou que uma fonte de confiança assegurou ser "100% certo" que a bactéria foi levada pelos militares nepaleses. O Haiti nunca tinha registrado casos de cólera até o mês passado, segundo o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDCP, em inglês). 

"Sim, infelizmente é assim. Foi provado que a cólera é do Nepal. É 100% preciso. Recolhemos amostras e assim conseguimos traçar o percurso da infecção, que vem do Nepal. Esta é, obviamente, uma cepa que é prevalecente no Nepal e agora parece que foi parar no Haiti", declarou Hammar ao jornal. 

Leia mais:  
Flórida tem suspeita de caso de cólera derivado de epidemia no Haiti  
Detectado primeiro caso de cólera na República Dominicana   
Número de mortos por cólera no Haiti passa de mil   
ONU pede 164 milhões de dólares para combater a cólera no Haiti 
 
 

Desde o final do mês passado, mais de 1.000 pessoas já morreram e cerca de 9 mil estão internadas em casos confirmados da doença, que é causada por um vibrião (bactéria) e transmitida principalmente por água contaminada. A suspeita de que os capacetes-azuis nepaleses seriam os responsáveis por levar a doença ao país gerou protestos violentos contra a missão da ONU (Minustah), deixando pelo menos dois mortos desde a semana passada. 

Câmara de Comércio Sueco-Americana 
  
Segundo o diplomata sueco Claes Hammar, já há 100% de certeza de que a bactéria veio do Nepal 

Esforços 

A ONU, no entanto, vinha negando a informação e rejeitava a responsabilidade pelo surto. Mas, no início da semana, o CDCP divulgou ter identificado que a variante da bactéria era originária do sul da Ásia, onde fica o Nepal, mas ainda não apontara nenhum país específico. 

"É claro que é muito triste que seja assim. Mas não se deve esquecer a propagação da doença devido à falta de higiene. A ONU está fazendo um grande esforço para combater a cólera", disse o diplomata sueco na entrevista. 

Leia mais:  
ONU suspende operações de ajuda no norte do Haiti depois de protestos
Para missão da ONU, violência pré-eleitoral no Haiti tem motivação política    
ONU alerta sobre protestos contra Minustah no Haiti    
Lula e Préval assinam acordos bilaterais para manter investimentos brasileiros no Haiti       Mídia explorou tragédia no Haiti e ocultou solidariedade, acusam pesquisadores       
Haiti tem de ser mais autônomo e menos dependente de ajuda externa, diz Amorim      
Lentamente, Haiti recupera a produção agrícola, afirmam Nações Unidas 
 
 
 
 
 

As tropas da Minustah asseguram que, desde o início da epidemia, vêm trabalhando para conter a disseminação da doença. Entre as ações empreendidas, estão batalhões de engenheiros do Brasil e do Chile estão preparando terreno para a construção de centros de tratamento para a cólera no interior do país. Já os contingentes da Bolívia montaram 20 barracas para 250 pessoas cada e 48 banheiros químicos no departamento de Artibonite, onde o foco teve início. 

A Minustah é atualmente chefiada pelo representante especial Edmond Mulet, da Guatemala, e o comando militar dos capacetes-azuis está a cargo do major-general brasileiro Luiz Guilherme Paul Cruz.

Postagens mais visitadas deste blog

As Bolachas de Barro existem mesmo no Haiti ?

Logo que comecei a pesquisar e ler sobre o Haiti, depois de janeiro 2008, sempre ouvi falar (e ler) sobre as tais Bolachas de Barro que os haitianos comiam por causa da miséria e não terem nada mais para comer. Quando aqui pisei pela primeira vez, em julho de 2009, junto com Verônica, essa era uma das "coisas" que a gente planejou ver, mas, mesmo indo a umas oito comunidades diferentes, da Capital e no Interior, passado um dia inteiro com amigos militares dentro das Instalações do BRABAT, e ainda pernoitado na casa de amigos haitianos antes de retornarmos ao Brasil via República Dominicana, não nos deparamos com ninguém que as comesse ou mesmo vendesse.

Nas duas experiências seguintes (outubro 2010 e janeiro 2012) também não encontramos nenhum vestígio dos tais "biscoitos de barro haitianos". Mas, enfim, em 2014, durante um programa sócio-missionário desenvolvido em parceria com a 2ª Companhia de Força de Paz do BRABAT, em Cité Soleil que durou 5 dias, ao visitarmo…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…

Brasil deixará Haiti em 2016: 'Serei o último a partir', diz general

Luis Kawaguti Da BBC Brasil em São Paulo
23 outubro 2015



"Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar", afirma à BBC Brasil o general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que assumiu há cerca de dez dias o cargo de comandante-geral das forças da ONU no país caribenho e coordenará no próximo domingo a segurança das eleições presidenciais haitianas.

O Conselho de Segurança da ONU determinou neste mês que a Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) termine no dia 15 de outubro de 2016, ocasião em que a comunidade internacional espera que um novo presidente haitiano já esteja exercendo seu mandato.

O Brasil comanda o setor militar da missão desde seu início em 2004. Até agora, o governo brasileiro previa que seus 850 militares começassem a voltar para casa em algum momento no ano que vem. Mas uma data oficial não havia sido estabelecida.

Até outubro de 2016, a missão será mantida com o …