Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2010

Estudo culpa ONGs por caos no Haiti

Organização americana diz que só 27% das doações recebidas por 20 grandes ONGs foram efetivamente aplicadas no país caribenho25 de novembro de 2010 | 0h 00
João Paulo Charleaux - O Estado de S.Paulo A epidemia de cólera que já matou mais de 1.400 pessoas e deixou 20 mil infectados poderia ter sido evitada se as dezenas de ONGs instaladas no Haiti desde o terremoto de janeiro tivessem usado as doações recolhidas nos últimos dez meses, é o que diz um levantamento feito pela Disaster Accountability Project (DAP). Até julho - seis meses após o terremoto de 7 graus na escala Richter que devastou o país, matou 300 mil pessoas e deixou mais de 1,5 milhão de desabrigados - apenas 27% do total de fundos arrecadados por 20 ONGs que atuam no Haiti havia sido usado para evitar surtos e epidemias. O resto, de acordo com a DAP, permanecia em bancos. A Cruz Vermelha Americana havia usado apenas US$ 117 milhões dos US$ 464 milhões arrecadados. Outra ONG, a Care EUA, tinha gasto apenas US$ 9,6 milhões dos…

Haiti precisa de médicos e enfermeiros do exterior, diz ONU

Reuters/Brasil Online



Por Pascal Fletcher PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - O Haiti precisa de uma leva de médicos e enfermeiros estrangeiros para evitar mais mortes na epidemia de cólera que uma operação internacional de ajuda se esforça para controlar, disse a principal autoridade humanitária da Organização das Nações Unidas (ONU). Precisa-se urgentemente de cerca de 1.000 enfermeiros e ao menos 100 médicos para se controlar a epidemia, que assola o país caribenho meses depois de um terremoto devastador. O surto já matou mais de 1.400 haitianos em cinco semanas e o número de mortes cresce às dezenas a cada dia. "Precisamos claramente fazer mais", disse à Reuters em Porto Príncipe Valerie Amos, subsecretária-geral da ONU para Assuntos Humanitários, durante uma visita com o objetivo de aumentar a escala e a rapidez da ação contra o cólera. "Não se trata apenas de dinheiro, mas principalmente de pessoas, em termos de obter mais médicos, enfermeiros, mais pessoas capazes de ajudar lev…

Epidemia de cólera chega ao maior presídio do Haiti e mata ao menos 10

O GloboAgências internacionais

GENEBRA - A epidemia de cólera que assola o Haiti atingiu o maior presídio do país, em Porto Príncipe, e já deixou pelo menos dez dos mais de 2 mil detentos mortos, informou nesta sexta-feira a Cruz Vermelha na Suíça. No centro de detenção, que como a maioria dos presídios do país enfrenta problemas de superlotação, há ao menos 30 presos infectados com a doença. Além da epidemia, responsável pela morte de mais de 1.180 pessoas, o Haiti enfrenta também violentos protestos, atualmente mais brandos, mas que chegaram na quinta-feira à capital . Movidos por suspeitas de que foram soldados nepaleses da ONU que levaram o cólera ao país, muitos haitianos se voltaram contra as tropas da missão de estabilização das Nações Unidas (Minustah), incluindo militares brasileiros. As manifestações ocorrem menos de duas semanas antes da eleição presidencial, marcada para o dia 28 de novembro.

O REPÓRTER NO MUNDO: Ai de ti Haiti

Por Néstor J. Beremblum - 21.11.2010 às 08:26:00



Parece incrível, mas é verdade. O primeiro país no mundo que aboliu a escravidão, em 1794, é hoje a nação mais pobre das Américas. Por isso a epidemia de cólera na ilha, após o terremoto mais devastador da história, de janeiro, no dia na última segunda-feira (15) havia matado 917 pessoas, e cinco dias depois o número já alcançava 1180. A conta é simples, mais de 50 pessoas morrem por dia a causa da “doença dos pobres” como foi conhecida. Mais um dado é que, segundo a UNICEF, doze por cento das mortes correspondem a crianças de até 5 anos de idade. Essa é a realidade da ilha de Hispaniola, descoberta por Colombo em dezembro de 1492, e que fora dividida entre Espanha e França alguns anos depois não consegue se erguer como Estado moderno, apesar daquela medida vanguardista de que todos os homens eram livres. Mas essa conquista chegou com muito sacrifício e morte após uma revolta de escravos. Morte é a palavra que mais se repete na história de …

Haiti: Cólera mata 1250 - Novo Balanço

Port-au-Prince, 22 nov (Lusa) O número de mortos causados pela epidemia de cólera que afeta o Haiti aumentou para 1250, de acordo com o último balanço divulgado pelas autoridades de Saúde Pública. Segundo os dados anunciados, 52 715 pessoas foram atendidas em centros de Saúde Pública e 20 867 hospitalizadas desde meados de outubro, quando apareceram os primeiros casos da doença. O número de mortes diárias atingiu agora as 61 e o departamento Norte continua a ser o que regista maior número de mortos por dia -- 28.

Unidade da força de paz brasileira no Haiti enfrenta manifestações políticas

Coibir essas ações é o principal desafio dos militares Manifestações de caráter político têm sido, nos últimos dias, o principal desafio dos mais de 800 militares que integram o Brabat 2, o mais novo dos três batalhões da força de paz brasileira no Haiti. A afirmação é do coronel José Carlos Avellar, subcomandante do batalhão criado semanas depois do terremoto que atingiu o país caribenho em janeiro deste ano.

Segundo Avellar, nesses dias que antecedem as eleições gerais do Haiti, marcadas para 28 de novembro, têm sido comuns os enfrentamentos entre militares brasileiros e manifestantes que, segundo o oficial, são ligados a partidos políticos.

— Alguns desses políticos não veem chance de vencer e procuram desestabilizar a situação para tentar adiar as eleições — disse.

Manifestações políticas têm sido percebidas não apenas na área do Brabat 2. No último dia 15, um confronto entre manifestantes e soldados da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) no norte do P…

Militares brasileiros atuam no combate à cólera no Haiti

Bom Dia Brasil
Assista ao vídeo da matéria veiculada nessa sexta-feira, 18 de novembro.
Militares brasileiros atuam no combate à cólera no Haiti.
A população não conhece a doença e os soldados ensinam que medidas simples de higiene podem ajudar na prevenção. Alunos de uma escola aprenderam a fazer o soro caseiro.

JMM Divulga Matéria sobre a Caravana ao Haiti e sua atual situação

Por Marcia Pinheiro 17 de novembro de 2010
Após chorar seus mortos no terremoto ocorrido em janeiro, o Haiti vive um novo drama. O número de mortos pela epidemia de cólera que atinge o país já passa de mil. As autoridades de saúde locais divulgaram nesta terça-feira (16) que a epidemia deixou 1.034 mortos, enquanto o total de hospitalizados é de 16.799. Os obreiros da terra haitianos pedem orações para que aquela nação, considerada a mais miserável das Américas, seja alcançada pela graça do Pai. E que as doações feitas até então, através do Projeto Por Um Novo Haiti, cheguem àqueles que de fato necessitam, sem parar em possíveis burocracias do Estado.

Na capital Porto Príncipe, que foi severamente atingida pelo terremoto de janeiro, 38 mortes foram registradas, a maioria delas na favela de Cite Soleil. Segundo o Ministério da Saúde, a cólera está agora presente em todas as províncias do Haiti. A área mais atingida é a Província de Artibonite, onde pelo menos 629 pessoas morreram.

Manifes…

Comandante das Forças Armadas da Minustah dá entrevista exclusiva à RFI

Ouvir (05:00) Adicionar à minha playlist Baixar Embed General Luiz Guilherme Paul CruzFlickr/ Kendra Helmer/USAID Leticia Constant O contexto da onda de violência no Haiti contra as tropas da ONU, a origem dos protestos em pleno período eleitoral, o posicionamento da Minustah perante as hostilidades e o esquema de segurança para as eleições  de 28 de novembro. Estes são os temas abordados pelo general Luiz Guilherme Paul Cruz, Comandante das Forças Armadas da Minustah, a Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti, em entrevista exclusiva à jornalista Leticia Constant, da Rádio França Internacional.

Manifestantes enfrentam tropas da ONU no Haiti pelo quarto dia seguido

Haitianos dizem que soldados da Minustah trouxeram epidemia de cólera ao país18 de novembro de 2010 | 18h 33
estadão.com.br Manifestante queima pneu em Porto Príncipe. Foto: Emílio Morenatti/AP PORTO PRÍNCIPE - Manifestantes voltaram a enfrentar tropas da ONU e da polícia no Haiti no quarto dia de confrontos no país. A uma semana da eleição presidencial, eles protestam contra a epidemia de cólera que já matou 1,1 mil haitianos. Três pessoas já morreram desde o início das manifestações, na segunda-feira. Veja também: Olhar sobre o mundo: O drama da cólera no Haiti Centenas de haitianos ergueram barricadas para bloquear ruas da capital, Porto Príncipe, e atiraram pedras contra veículos da ONU e de organizações não-governamentais. A polícia respondeu com bombas de gás lacrimogêneo. Os manifestantes acusam tropas da Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah) de terem trazido a doença ao país. Para a ONU, os protestos têm motivação política. Segundo o último balanço do minist…

Mortos em epidemia de cólera no Haiti já chegam a 1.100

HAITI/EPIDEMIA -  Artigo publicado em 17 de Novembro de 2010 - Atualizado em 17 de Novembro de 2010

Corpo de uma vítima da epidemia de cólera que atinge o Haiti desde meados de outubro.Reuters Kênya Zanatta / Patricia Moribe Além das vítimas fatais, a epidemia também provocou mais de 18 mil hospitalizações desde meados de outubro. A doença ultrapassou oficialmente as fronteiras do Haiti e chegou à vizinha República Dominicana. Um caso de cólera foi detectado no país nesta terça-feira.Após violentos confrontos entre manifestantes haitianos e capacetes azuis da ONU no norte do país, a França fez hoje um apelo à calma. Segundo o novo balanço oficial divulgado nesta quarta-feira pelo governo haitiano, a epidemia de cólera no país já matou 1.100 pessoas e provocou a hospitalização de mais de 18 mil desde meados de outubro.
A doença ultrapassou oficialmente as fronteiras do Haiti e chegou à vizinha República Dominicana. Os dois países dividem a ilha Hispaniola, no Caribe. Um paciente haitiano de …

Embaixador sueco no Haiti confirma que cólera veio do Nepal

Efe

Epidemia de cólera já matou 1.039 e deixou pelo menos 17 mil hospitalizados no Haiti

As suspeitas de que a epidemia de cólera no Haiti, que já matou mais de 1.000 pessoas, tenha sido começada por um grupo de soldados do Nepal membros da missão de paz da ONU, foi confirmada por um diplomata sueco que acaba de retornar do país caribenho.

Em entrevista ao jornal suecoSvenska Dagbladet("Diário Sueco"), o embaixador Claes Hammar declarou que uma fonte de confiança assegurou ser "100% certo" que a bactéria foi levada pelos militares nepaleses. O Haiti nunca tinha registrado casos de cólera até o mês passado, segundo o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDCP, em inglês).

"Sim, infelizmente é assim. Foi provado que a cólera é do Nepal. É 100% preciso. Recolhemos amostras e assim conseguimos traçar o percurso da infecção, que vem do Nepal. Esta é, obviamente, uma cepa que é prevalecente no Nepal e agora parece que foi parar no Haiti", declarou Ha…