Pular para o conteúdo principal

SOU BATISTA, TENHO UMA IDENTIDADE (Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho)

8. A AUTONOMIA DA IGREJA LOCAL Este é outro princípio batista inegociável. E é onde devocontextualizar um pouco mais porque temos problemas sérios nesta área.Surpreende-me, hoje, ler em jornais de procedência de instituiçõesbatistas artigos contra a autonomia das igrejas locais e até mesmoalguns lamentos de muitos por termos esta doutrina. Entendo quevivemos um tempo bem diferente do vivido há 20 anos. As estruturasdenominacionais passam por um processo de desgaste junto às igrejas.Sua imagem está afetada. Isto é conseqüência até mesmo de um dadocultural, a pós-modernidade, momento social em que vivemos e em que asestruturas são questionadas e deixadas de lado, e o individualismo écada vez mais acentuado. Para piorar, em algumas de nossasinstituições denominacionais houve má gerência, e a repercussão distoatingiu as demais. Em outras, aconteceu certo açodamento de pessoasque confundiram as coisas e conseguiram, com suas atitudes, criar umapostura refratária por parte das igrejas. Zelosas pelo seu trabalho,algumas pessoas começaram a pressionar as igrejas e a reclamar dasnão coloboradoras, muitas vezes insinuando não serem batistas ou seremdesengajadas da doutrina batista por não contribuírem financeiramentepara a instituição. Em outras vezes, a luta por poder, nos bastidores,em nada difere da luta que se vê no mundo. Esta confusão, para mim,se deu porque se ignorou o fato de que a estrutura é serva dasigrejas e existe em função delas e não o oposto. Nem mesmo chamonossas instituições de denominação porque denominação, no meuentendimento, são as igrejas e as doutrinas que elas sustentam. Chamode estrutura e as vejo como pára-eclesiásticas, ou seja, elas existempara caminharem ao lado das igrejas. Por isso, entendo que asestruturas precisam rever seus métodos e seu discurso. Não devemcobrar das igrejas, mas mostrar sua competência, sua administração comlisura, e como estão levando a obra das igrejas à frente. Parece-mesurrealista que alguns vejam as igrejas como adversárias dadenominação. Elas são a denominação! Não é segredo que as igrejas têm diminuído sua colaboração para aestrutura, tanto em finanças como em envolvimento. Os alvosmissionários não têm sido alcançados. Isto cria uma ansiedade porparte de quem gerencia um programa, pois precisa de recursos. Porisso, vez por outra se lêem artigos em que alguém reclama da autonomiada igreja local e critica as que não estão cerrando fileiras com aestrutura. Seria bom fazer com que as igrejas todas assumissem oprograma da estrutura e bem como os ônus decorrentes dafuncionalização do programa. Aliás, mais que surpreender-me, choca-me ver tais artigos defendendorestrição à autonomia das igrejas. Creio que isto não melhorará ascoisas, mas que as piorará. Afastará mais igrejas, ainda. Tentarenquadrar as igrejas é militar contra toda uma história quasequatrocentã. E não existe autonomia relativa. Ou há ou não há. Elassão autônomas, cem por cento autônomas. Quero citar um trecho de umlíder batista insuspeito, José dos Reis Pereira. Poucos batistasforam tão engajados na obra como ele. Certa vez, em uma carta, ele medisse que estava com 24 atribuições denominacionais. Reis Pereira foiuma vela que se gastou dos dois lados. Eis seu texto: "Os BatistasGerais decaíram à proporção em que uma forte tendência centralizadoratriunfava entre eles. Vitoriosa essa tendência a autonomia das igrejaslocais foi sacrificada. E é um outro princípio batista, esse daautonomia da igreja local" (Breve História dos Batistas, p. 81).Centralizar o poder ou as decisões e fortalecer o centro não melhoraráa situação. Reis mostra que a história já provou isso. Deve-sefortalecer e melhorar a base, que são as igrejas. Se estas foremfortes e sadias, a denominação será forte e sadia. Associações, convenções, juntas e assemelhados existem para servir àigreja local. Estas não são apenas pagadoras das contas, mas devem sersenhoras do processo denominacional. Isto deve ser reafirmado porque,se anos sessentas e setentas o modelo pentecostal foi nosso grandeproblema, nos anos noventas e nesta primeira década, nosso problemaparece ser o modelo presbiteriano. Não se deve nem se pode negar a autonomia da igreja local, até mesmoporque o Novo Testamento só mostra uma instituição, que é ela, edesconhece todas as que criamos. O que criamos não é antibíblico, masé abíblico. Não é errado, mas existe para funcionalizar e vitalizar aigreja local. O que devemos fazer é mostrar que as igrejas do NovoTestamento viviam em mutualidade, que se ajudavam, como Paulo mostraem suas cartas. Autonomia e mutualidade não são antônimos. Mostremosque as igrejas se engajavam em projetos comuns, mas tudo partia delas.Até mesmo o envio de missionários. Os missionários eram enviados pelasigrejas e eram missionários das igrejas e nunca enviados por umainstituição. Sei que os tempos são outros, as circunstâncias culturaissão outras, mas me parece que muitas vezes olhamos pelo lado errado dobinóculo. A pedra de toque do processo batista é a igreja local. Nestesentido, somos congregacionais desde nossa origem: o governo pertenceà congregação local e ela não está sujeita a nenhum outra instância. Ecooperação, sim. Mas sacrifício ou abandono da autonomia da igrejalocal, nunca! A grandeza desta doutrina nos permite declarar que a maior e mais ricaigreja batista vale tanto quanto a menor e mais pobre. E o que se fazem nome dos batistas precisa do aval moral das igrejas para tercredibilidade entre elas. Não se trata apenas de autonomia da igrejalocal, mas de sua soberania. As estruturas precisam compatibilizar-secom as igrejas. Até mesmo por um fator muito simples: precisam delaspara sobreviver.
Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho
Preparado para o Congresso de Identidade Denominacional, promovidopela Associação Batista do Litoral, na PIB de S. Vicente, em 27 deabril de 2001.
O autor é o pastor-titular da Igreja Batista do Cambuí, Campinas, eprofessor da Faculdade Teológica Batista de Campinas e do SeminárioBatista Bíblico de Campinas.

Postagens mais visitadas deste blog

Sopa Receita Joumou - Sopa da Liberdade!

Pra quem gosta de cultura e culinária, ta aí a Sopa da Liberdade!
Era um prato dos Colonizadores, e os escravos não tinham acesso, até à sua Independência. A partir daí, anualmente, no dia 1º de Janeiro (Dia da Independência) eles a celebram degustando essa prato tipicamente Haitiano. Uma boa dica para as Feiras Missionárias no Brasil!
Sopa Receita Joumou
Sexta-feira, 4 de marco de 2011 16:24



O prato monumental da Revolução haitiana, Sopa Joumou, sopa de abóbora, E o Prato De conquistadores. E tradicionalmente servido no Dia da Independência do Haiti, 01 de janeiro, Como hum começo Saudável par o Outro ANO.

Ingredientes
- 1 kg de carne faça Pescoço OU rabo de boi
- 1/2 limão
- Sal fino
- Esmagado pimenta preta
- Água (Suficiente parágrafo cobrir uma carne; Mais Água podem Ser adicionados Mais Tarde parágrafo ajustar uma consistência)
- 2 kg abóbora, descascados e cubbed (alternadamente, utilizar abóbora enlatada)
- 1 cebola Pequena Cortada los cubos
- 2 Talos cebolinha verde picada
- 4 Dentes de…

Pós Furacão Matthew... oportunidade de fazer a diferença!

Nossa família e Equipe missionária estão bem, graças a Deus!
Já estivemos lá na região analisando os danos, prestando uma ajuda inicial a algumas famílias, e elaboramos uma proposta de Plano de Ação Emergencial para nossa agência. Estamos aguardando a decisão do Gabinete de Crise da Junta para agir em favor das vítimas. Ore por isso, ok?
Nesse momento o que é mais urgente é alimento e a restauração dos telhados e casas afetadas pelos ventos. Como a logística de armazenamento, transporte e envio do Brasil para o Haiti é bastante cara, demorada e vulnerável a questões aduaneiras, nossa sugestão é para que enviem recursos financeiros, e o que for arrecadado aí, como roupas, sapatos e outros itens, vocês realizem Bazares e Eventos (almoços ou jantares) para reverter os itens arrecadados em recurso financeiro que será bem mais facilmente transferido e revertido aqui na economia local, em alimentos e materiais de construção.
Para ajudar:
1) Através do "Ajude Agora Haiti" coordenad…

Moringa e Chocolate "Made in Haiti" chegam ao Mercado Norte-americano

Porto Príncipe, 25 de fevereiro de 2016.
Por Haiti Libre

Dois novos produtos haitianos estreiaram no mercado Norte-americano no começo de fevereiro através da Rede "Whole Foods Market", em escala nacional: a "Moringa Green Energy", das Indústrias Kuli Kuli, e as barras de chocolate "Taza Chocolate". Os ingredientes destes dois produtos são comprados diretamente de pequenos produtores agrícolas do Haiti. Este acesso direto ao Mercado, combina ajuda aos agricultores melhorando e desenvolvendo suas capacidades, o que significa um aumento da renda, e beneficiamento dos consumidores nos Estados Unidos de produtos de alta qualidade.
No caso da Moringa, a pioneira é a Organização sem fins lucrativos "Smallholder Farmers Alliance (SFA)", com o apoio da Fundação Clinton. E para os grãos de cacau utilizados na fabricação das barros de chocolate, é a Companhia "Produits des Iles S.A (PISA)".
"Nós ajudamos a conectar os agricultores haitianos di…